CONSTRUÍMOS
NOTÍCIA
segunda-feira, 29 de novembro de 2021
Opinião
Partilhar

Partilhar

13 de agosto de 2020

Quando me perguntam se prefiro angariar um imóvel ou ter um cliente comprador, a minha resposta é invariavelmente a mesma: “prefiro partilhar”. A partilha é (ou deveria ser) o expoente máximo da relação de confiança que se cria entre colegas consultores ou entre empresas do sector e que, quando efectivada, resulta numa solução que surge a contento de todas as partes. Ao invés disso, tenho a ideia que esta é muitas vezes vista, por consultores e por empresas, como uma solução de recurso do sector que, quando vê que não consegue clientes para o seu imóvel (e o prazo do contrato está a chegar ao fim) abre mão da comissão que conseguiu com o cliente para tentar resolver algo que poderia estar já resolvido há que tempos, se as pessoas não quisessem ser lambões.

Pessoalmente, devo-vos confessar que estou um fã das partilhas. Têm-me permitido conhecer pessoas fantásticas, separar o trigo do joio e ter acesso a diversas possibilidades de mercado num patamar que estou a adorar explorar.

A cereja no topo do bolo é a constatação de que tenho, felizmente, neste momento, alguns colegas com quem já criei uma relação de confiança (dentro de portas, mas também na dita “concorrência”) e a sua experiência e mais-valia têm-me evitado também cometer alguns erros. E, sejamos concretos: se esta relação for franca, séria e honesta, onde as oportunidades, os riscos e as comissões são partilhados 50/50, um papel assinado entre as partes (porque as regras da sociedade assim o obrigam e porque nos afastámos milhas do conceito de palavra dada e do valor de shaking hands) apenas vai reforçar o sentimento de confiança mútua que se criou entre dois profissionais. 

A partilha é, na minha humilde opinião, o melhor de dois mundos, porque nos permite, consoante as circunstâncias e as oportunidades, estar do lado do comprador ou do lado do vendedor, trabalhando, efectivamente, para que o que temos entre mãos possa ter um final feliz para todos. E, como sabemos, às vezes temos produto e não temos imediatamente cliente e o inverso também acontece. A partilha permite-nos assim colmatar uma carência, saltando etapas e ganhando tempo para todos.

O Mário, que conheci através destes meus artigos, colocou o dedo na ferida no que às partilhas diz respeito. Escreveu-me ele que “é preciso encarar a partilha como forma de negócio e não como alternativa a negócios que não estão a sair por si só, até porque é importante perceber que a partilha, acima de tudo, defende os clientes”. Eu não teria dito melhor.

Francisco Mota Ferreira

Consultor Parcial Finance

PUB
PUB
TURISMO
Chegou uma nova consultora que pretende impulsionar o futuro da Gestão hoteleira
29 de novembro de 2021
ARRENDAMENTO
Arrendamento mais caro em Lisboa mesmo com mais contratos declarados
29 de novembro de 2021
PUB
PUB
INTERNACIONAL
Confiança dos consumidores recua na zona euro em Novembro
22 de novembro de 2021
PUB