CONSTRUÍMOS
NOTÍCIA
sexta-feira, 14 de agosto de 2020
Opinião
Pandemia, Arquitectura e Real Estate

Pandemia, Arquitectura e Real Estate

2 de junho de 2020

Estamos então chegados ao retomar da vida fora de casa após estes  longos dois meses e meio trabalhando confinados  e comunicando com o exterior sobretudo pela via digital.

Muito já se disse que, se o futuro próximo nos vai obrigar a estar mais resguardados de virus, haverá certamente que repensar o MODO DE HABITAR, enquadrando também o trabalhar, com  as inerentes necessidades de maiores áreas interiores, de espaços de transição com o exterior, da relação com o verde, das necessidades do bom arejamento dos espaços, da boa orientação solar, de uma saudável  relação com o espaço urbano público de proximidade.

Para tudo isso haverá muito Know How de todo o tipo de projectistas que se dedicam ao desenho de Edifícios , da Cidade e do Território em geral , que devidamente enquadrados pelo Poder Politico poderão vir a contribuir para uma cada vez melhor qualidade dos espaços onde vivemos e trabalhamos.

Mas já se percebeu também, pelos sinais recentes do chamado desconfinamento progressivo , que tudo voltará mais ou menos a ser como sempre foi , tirando o facto de talvez termos que acrescentar à nossa indumentária quotidiana uma máscara descartável, e perder-se uma oportunidade única de procurar criar alternativas  de melhores condições de vida para todos.

Neste próximo mês de Junho haverá eleições na Ordem dos Arquitectos , de onde seria desejável saíssem novas e mais esclarecedoras premissas para um justo e equilibrado exercício da profissão de Arquitecto.

Sendo o perfil da Classe hoje em dia muito diversificado, e portanto com muitos e variados interesses e objectivos, há contudo a meu ver duas questões absolutamente centrais e decisivas para o exercício digno da profissão: uma é ÉTICA   e outra  pragmaticamente  de ter que ser estabelecido com a maior urgência um  CRITÉRIO DE CÁLCULO DE HONORÁRIOS, devidamente articulado com outros diferentes projectistas das mesmas áreas ( engenheiros, urbanistas, paisagistas ),  correspondente com a  responsabilidade que agora passa a ser pedidas pelas práticas do urbanismo digital recentemente implementadas pela Câmara Municipal de Lisboa, remetendo para a figura do coordenador  de projecto a total responsabilidade pela boa prática de todos os projectos, engenharias incluídos e a sua desejada compatibilização.

Sendo como parece ser uma ferramenta de maior rapidez nas decisões de carácter administrativo e técnico, elas acarretam todavia que exista em paralelo uma clara definição dos honorários do projecto compatíveis com essa responsabilidade, e outras inerentes a uma prática profissional responsável.

Tirando os casos especiais dos projectos de autor para moradias de luxo , ou para edifícios de grande especialização curricular como podem ser por exemplo hospitais ou outros equipamentos do mesmo  género de complexidade, o grande volume da actividade do projecto está ancorada no negócio do Imobiliário, sendo o cálculo dos respectivos honorários como é sabido, matéria de grande arbitrariedade.

Mais do que discussões académicas sobre os conceitos de qualidade e/ou capacidade conforme a dimensão maior ou menor dos diferentes agentes ou gabinetes de projectos, todos sabemos que não é a dimensão, seja ela  pequena ou grande,  que garante só por si uma boa qualidade de projecto, pelo que seria tempo de  por uma vez se resolverem as reais e importantes questões de se poder ser ou não,  Arquitecto em Portugal.

Perdeu-se o direito de autor o que é uma coisa perfeitamente inqualificável, bastando uma simples carta para se mudar de projectista sem o mínimo respeito pelo outro atirando para o lixo os valores mais básicos da ética profissional ; perdeu-se a importância da pesquisa fundamentada para as questões de como melhor habitar e tudo se estabelece em tipologias pré-definidas sem a mínima relação com os sítios, ditadas sobretudo pela imagem.

Os Arquitectos têm que voltar a ser os Homens que estudam os diferentes significados do Espaço Interior onde se vive e trabalha e com eles construir uma Cidade mais interessante de ser vivida.

João Paciência

Arquitecto

PUB
TURISMO
Turismo interno limita quebra de hóspedes a 82% e de dormidas a 85,2% em Junho
14 de agosto de 2020
PUB
ARRENDAMENTO
Câmara de Lisboa abre 2º concurso de Renda Acessível com 30 novas casas
13 de agosto de 2020
PUB
PUB
INTERNACIONAL
França estima impacto no turismo em cerca de 40.000 milhões de euros
10 de agosto de 2020
PUB