CONSTRUÍMOS
NOTÍCIA
sexta-feira, 14 de agosto de 2020
Opinião
A grande "Onda de Renovação"

A grande "Onda de Renovação"

11 de junho de 2020

No final de 2019 a Comissão Europeia apresentava o “European Green Deal” que, procurando dar resposta aos desafios climáticos, é bem mais do que isso. Trata-se de “uma nova estratégia de crescimento que visa transformar a UE numa sociedade equitativa e próspera, dotada de uma economia moderna, eficiente na utilização dos recursos e competitiva, que, em 2050, tenha zero emissões líquidas de gases com efeito de estufa e em que o crescimento económico esteja dissociado da utilização dos recursos”.

Os setores do Imobiliário e Energia são abordados, de forma integrada e muito clara, na nova estratégia europeia de crescimento. De facto, por um lado, a construção, a utilização e a renovação de edifícios exigem uma quantidade significativa de energia e de recursos minerais e, por outro, os edifícios são responsáveis por 40 % do consumo de energia. Atualmente, a taxa de renovação anual do parque imobiliário varia entre 0,4 % e 1,2 % nos Estados Membros, sendo necessário que esta taxa duplique para que a UE atinja os seus objetivos em matéria de eficiência energética e clima.

Para enfrentar estes desafios previa-se a promoção de uma «Onda de Renovação» de edifícios públicos e privados, sustentada na redução das faturas de energia e diminuição da pobreza energética, impulsionando o setor da construção, apoiando as PME e constituindo um estímulo à criação de emprego. Previa-se, ainda, a possibilidade de incluir as emissões dos edifícios no Sistema de Comércio de Licenças de Emissão, transmitindo os sinais adequados para a promoção da eficiência energética.

Entretanto, de forma abrupta e inesperada, o contexto mudou. Arrastados pela pandemia temos à nossa frente cenários com que não contávamos. A Comissão Europeia aponta para valores de contração da economia comunitária superiores a 7% e, para Portugal, são apresentados valores de abrandamento entre 5% a 12%. Os cenários considerados por diversas entidades concentram o efeito do confinamento no segundo trimestre de 2020, assumindo diferentes ritmos de normalização da atividade económica, interna e externa, durante o segundo semestre de 2020. Por outro lado, prevê-se uma retoma do crescimento em 2021 e 2022, alicerçada na expectativa de que o choque na economia seja transitório. A incerteza é grande, sendo claro, no entanto, que o impacto será enorme na economia e na sociedade portuguesas.   

Tão grande que seria impossível a um país como Portugal - com crescimentos historicamente débeis, uma dívida pública demasiado elevada, deficits orçamentais consecutivos (exceto em 2019) - ultrapassar sem apoio. Mais, este apoio não poderia ser qualquer um…Tínhamos, temos, a necessidade de investir na nossa economia, sem agravar demasiado a dívida e sem penalizar os juros que pagamos por ela.

Sabemos todos, demasiadamente bem, onde nos leva o aumento descontrolado da dívida, justificado pela necessidade de reanimação de uma economia frágil, gastando sem critério, sem rumo, sem controlo. Levou à descredibilização total do país, aumento do custo da dívida para patamares insustentáveis e um pedido de ajuda em circunstâncias e com exigências que ninguém quer ver repetidas.

Perante este cenário, teremos porventura diante de nós a grande oportunidade, assim saibamos não nos deslumbrar com os números e consigamos por em prática um plano estratégico de desenvolvimento e crescimento do país. Desta feita, mais do que conseguir não gastar, como temos feito nos últimos anos, há que saber gastar bem, saber como e onde investir!

Temos, agora, perante nós um plano de recuperação proposto pela Comissão Europeia que, a ser aprovado pelo Conselho, constituirá uma oportunidade para o reforço de uma estratégia europeia de crescimento que se adivinhava correta e que balizará os investimentos a realizar, pretendendo sinalizar, alinhar interesses e motivar o investimento privado.

Tal como referido no documento, “a segurança e a previsibilidade a longo prazo são essenciais para ajudar a desbloquear o investimento privado necessário” e o European Green Deal manter-se-á como base do desenvolvimento e crescimento europeu para a década.   

Propõe-se, então, uma recuperação “ecológica“ alicerçada no European Green Deal que, para além de propiciar segurança a longo prazo, potenciará o relançamento da economia europeia rapidamente e à escala local. É aqui que se volta a enquadrar a futura «Onda de Renovação», centrada na criação de emprego nos setores da construção e da renovação e noutras indústrias com grande intensidade de mão de obra. Através de apoio regulamentar e financeiro, reforça-se o objetivo de, no mínimo, duplicar a taxa de renovação anual do parque imobiliário existente.

Mais do que um plano ousado, é a oportunidade para que os setores do imobiliário e da energia façam a diferença no relançamento da economia portuguesa.

Miguel Subtil

Managing Director, The K Advisors

*Texto escrito com novo Acordo Ortográfico

PUB
TURISMO
Turismo interno limita quebra de hóspedes a 82% e de dormidas a 85,2% em Junho
14 de agosto de 2020
PUB
ARRENDAMENTO
Câmara de Lisboa abre 2º concurso de Renda Acessível com 30 novas casas
13 de agosto de 2020
PUB
PUB
INTERNACIONAL
França estima impacto no turismo em cerca de 40.000 milhões de euros
10 de agosto de 2020
PUB