CONSTRUÍMOS
NOTÍCIA
sábado, 11 de julho de 2020
Arquitectura
Movimento pondera criar Sindicato de Arquitectos

Movimento pondera criar Sindicato de Arquitectos

24 de outubro de 2019

Um movimento de arquitectos do Porto está a lançar uma reflexão em defesa da melhoria dos direitos e condições de trabalho da classe a nível nacional que poderá dar origem a uma associação ou um sindicato.

O recém-criado Movimento dos Trabalhadores em Arquitectura (MTA), que surgiu no Porto, em Fevereiro, depois da realização de um debate sobre esta matéria, está a realizar desde então reuniões semanais abertas para "aumentar a consciência sobre a situação da profissão".

"A situação é grave", disse o arquitecto Francisco Calheiros, contactado pela agência Lusa, corroborado pela arquitecta Catarina Ruivo, ambos do mesmo movimento, que funciona numa estrutura horizontal, sem hierarquias, com todos os participantes a decidir as questões em conjunto.

Em causa estão “situações frequentes” de falsos recibos verdes, estágios não remunerados e incumprimento da lei laboral, salários baixos, e ausência de progressão na carreira, segundo os arquitectos, que defendem urgência no combate a estas situações.

Foi criado um manifesto que está a ser divulgado nas redes sociais, e será apresentado publicamente no Sábado, 9 de Novembro, às 15:00, na Associação de Jornalistas e Homens de Letras do Porto, com entrada livre.

Os dois arquitectos disseram que o movimento "pretende ser inclusivo" e combater a precariedade existente no mercado de trabalho, composto sobretudo por ateliers de pequena dimensão, com cerca de dez trabalhadores.

 

Relações com a Ordem dos Arquitectos

Questionados sobre o papel que querem ter em relação à Ordem dos Arquitetos, órgão que representa esta classe profissional, apontaram que a iniciativa quer "preencher um espaço vazio" na luta pelos direitos destes trabalhadores.

"A Ordem dos Arquitectos representa a disciplina e não os trabalhadores. Estamos abertos ao diálogo com eles, mas pretendemos ocupar um espaço que está vazio", justificam.

Catarina Ruivo salientou que o MTA está aberto a todos os trabalhadores do sector, sejam eles inscritos ou não na Ordem dos Arquitetos, estudantes de arquitectura, desenhadores, ou projectistas.

Sobre a possibilidade de este movimento ser uma "semente" de um futuro sindicato, os arquitectos dizem que "ainda é prematuro" afirmá-lo.

"É muito cedo, mas é uma questão que está presente porque o sindicato não existe em Portugal, mas noutros países sim", comentou Francisco Calheiros, acrescentando que "ainda há questões para discutir".

"Temos de discutir a melhor forma, que nos permitirá defender as boas condições de trabalho. Não sabemos se será uma associação ou um sindicato. Vamos ainda ver o que as pessoas pretendem", acrescentou.

O arquitecto disse ainda que as medidas reivindicativas essenciais do movimento passam pelo cumprimento das leis laborais, a formação profissional, tabelas salariais e progressão na carreira.

Existe no movimento um sentido de investigação para retratar qual é a situação exata dos arquitectos no país: “É preciso, em primeiro lugar, haja um autorreconhecimento, o que fará com que nos organizemos melhor", apontou o arquitecto.

 

Trabalho mal pago

Questionados sobre o nível salarial dos arquitectos em Portugal, Catarina Ruivo indicou à Lusa que, de acordo com um estudo do Conselho Europeu dos Arquitectos, a média mensal remuneratória de um arquitecto é de 729 euros, enquanto os dados da Pordata apontam para que a média de salário bruto do país ascenda a 943 euros.

Embora tenham vindo a surgir mais encomendas públicas e privadas, e o desemprego tenha vindo a diminuir muito nesta profissão, recordam que a contratação é, genericamente, ainda difícil e as situações laborais precárias.

O manifesto do MTA já é público e pode ser consultado no sítio ´online´ do movimento, mas o grupo pretende ainda fazer encontros em Lisboa, Coimbra ou Vila Real, porque quer "chegar a toda a gente" no sector.

Lusa/DI

PUB
TURISMO
São Rafael Villas, Apartments & GuestHouse lança Villa V
10 de julho de 2020
PUB
ARRENDAMENTO
Imobiliárias vão promover Programa Renda Segura
10 de julho de 2020
PUB
PUB
INTERNACIONAL
Investimento imobiliário multifamily europeu deve ultrapassar os 22 mil milhões de euros
7 de julho de 2020
PUB