CONSTRUÍMOS
NOTÍCIA
sexta-feira, 26 de fevereiro de 2021
Actualidade
Mediadores Imobiliários com quebras acima de 80% nas transacções e procura em Janeiro

Mediadores Imobiliários com quebras acima de 80% nas transacções e procura em Janeiro

22 de fevereiro de 2021

Mais de 80% das empresa de mediação imobiliária registaram quebras nas transacções e na procura de imóveis em Janeiro, em termos homólogos, e mais de 70% reportam uma diminuição nestes indicadores face ao mês anterior, segundo um inquérito da principal associação sectorial.

Num comunicado divulgado hoje, a Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP) considera que “estes números são desanimadores e retratam as consequências do confinamento que entrou em vigor a 15 de Janeiro, impedindo as empresas de mediação imobiliária de desenvolver a sua actividade normalmente, por não poderem realizar visitas presenciais”.

Segundo as conclusões do Barómetro APEMIP – Janeiro 2021, realizado junto dos profissionais imobiliários a operar em Portugal, comparando a venda de imóveis no mês de Janeiro com o mês anterior, 77,4% dos inquiridos confirmam uma quebra nas transacções, contra 18% que indicam que o negócio se manteve e 4,6% que declaram que terá aumentado.

Já em comparação com o período homólogo (Janeiro de 2020), 82,4% apontam para uma quebra no negócio, 13% referem a sua manutenção e 4,6% o seu aumento.

 

Menor procura...

A APEMIP nota que “também a procura reflecte já o impacto da situação pandémica”, com 71% dos profissionais a assinalar um decréscimo face ao mês anterior, subindo esta percentagem para os 84,8% quando a comparação é efectuada com igual período do ano anterior.

Luís Lima, o presidente da APEMIP considera que, “se no ano passado as empresas demonstravam algum optimismo, apesar das circunstâncias, em 2021 a fadiga e as dificuldades que enfrentam é espelhada nos resultados deste barómetro”.

“Por um lado, a quebra da procura começa a ser notória, por outro as empresas continuam impedidas de fazer visitas e de desenvolver a sua actividade, o que se reflecte no seu grau de optimismo para o desempenho do presente ano”, sustenta Luís Lima.

Segundo o dirigente associativo, “61% dos profissionais declararam nunca ter efectuado qualquer negócio através de visitas virtuais e 15,3% afirmaram não ter à sua disposição meios para o fazer, o que comprova que este recurso serve só nichos muito específicos do mercado”.

Salientando que estes números confirmam “a ineficácia das visitas virtuais para a concretização de negócios”, a APEMIP apela a que o sector seja integrado logo na primeira fase de desconfinamento.

 

E os preços...?

No que diz respeito aos preços da oferta disponível, 62,5% dos inquiridos apontaram para a sua manutenção, 31,4% para a sua quebra e 6,1% registaram um aumento face ao mês anterior. Já em comparação com o período homólogo, 44,9% dos inquiridos afirmam que os preços se mantiveram, 37,5% que diminuíram e 17,6% que terão aumentado.

Para Luís Lima, é “natural que os preços comecem a reflectir os efeitos da quebra da procura e que se verifiquem algumas correcções dos valores praticados”, sendo este fenómeno “particularmente notório no segmento habitacional mais alto/luxo, que se ressente pela quebra da procura estrangeira (62,6% dos inquiridos confirmam uma quebra deste negócio), uma vez que o mercado interno não tem tanta capacidade para absorver este tipo de activos”.

Baseado num inquérito realizado ‘online”, o Barómetro APEMIP – Janeiro 2021 decorreu entre 02 e 11 de Fevereiro de 2021 e contou com cerca de 4.000 respostas de profissionais de empresas de mediação imobiliária licenciadas a operar em Portugal.

Lusa/DI

 

PUB
TURISMO
Mais de 60 organizações de viagens e turismo pedem à UE plano para Verão
25 de fevereiro de 2021
ARRENDAMENTO
Proprietários receiam que incumprimento de rendas vá aumentar este ano
17 de fevereiro de 2021
PUB
PUB
INTERNACIONAL
FIFA world Cup Qatar 2022: construção de 7 estádios já levou à morte de mais de 6.500 trabalhadores migrantes
24 de fevereiro de 2021
PUB