CONSTRUÍMOS
NOTÍCIA
domingo, 29 de novembro de 2020
Internacional
No norte de Espanha mais de metade dos jovens possui casa própria

No norte de Espanha mais de metade dos jovens possui casa própria

19 de outubro de 2020

Ao contrário de Portugal, no norte de Espanha, 55% dos jovens com idades compreendidas entre os 25 e 40 anos é propretário de uma casa, sendo que apenas 26% vive com os país, 18% em casa arrendada e 4% compartilha casa.

De acordo com o estudo, "O impacto do confinamento na procura de casa pelos mais jovens", elaborado pela Área de Transformação Digital e Dados da AEDAS Homes, os jovens do centro-norte da Espanha (províncias de Cantábria, Vizcaya, Guipúzcoa, Álava, Navarra, La Rioja, Burgos e Palencia) - representam os maiores índices de emancipação do país, priorizando, acima de tudo, aquisição de uma casa.

Mais da metade dos jovens desta parte da Espanha com idades entre 25 e 40 anos (52%) possuem uma casa, a maior percentagem de longe no país. 

“O emprego e a boa situação económica nesta região da Espanha possibilitam o acesso a uma casa mais cedo do que no resto do território”, afirma Jorge Valero, Director de Dados e Transformação Digital da AEDAS Homes, que destaca que “90% dos entrevistados afirmam não ter percebido a crise de saúde no trabalho ou apenas um pouco, seis pontos acima da média nacional ”.

Os dados do estudo revelam uma cultura de propriedade enraizada, enquanto a percentagem de jovens do centro-norte que vivem em casas arrendadas é a mais baixa de Espanha. Apenas 18% vivem em casas arrendadas, enquanto 26% residem com os pais e apenas 4% compartilham um apartamento. “Os jovens dessa região têm um nível económico médio-alto e a maioria passa de morar em casa de família para casa própria”, finaliza Valero.

Os mais satisfeitos com sua casa

Proprietários ... e também muito satisfeitos. Os jovens da zona centro-norte também são os que mais estão satisfeitos com a sua casa actual, depois de terem passado meses de confinamento. Até 45% concluem que estão satisfeitos com a sua casa, o valor mais alto de todo o país e mais do que o dobro, por exemplo, do que em Madrid (18%).

Apesar deste alto nível de satisfação, mais da metade percebeu que sua casa poderia ser melhorada. 19,5% afirmam ter precisado de um jardim ou terraço e 15% gostaria de passar o confinamento numa casa maior. Além disso, apenas 3% afirmam precisar de um escritório e 6,5% consideram a possibilidade de mudar de cidade para o teletrabalho.

Sustentabilidade entre as prioridades

Por outro lado, os jovens do norte são os que mais valorizam as medidas de sustentabilidade na procura de uma nova casa após meses de confinamento. O interesse pela eficiência energética cresceu 27%, representando o maior de todas as áreas estudadas, muito acima dos aumentos nas áreas de Madrid (+ 6%) e Noroeste (+ 5%).

Além disso, 32% dos jovens da área centro-norte valorizam agora muito positivamente viver perto de áreas verdes e 5% viver perto de centros comerciais ou de lazer. Pelo contrário, deixaram de dar importância à vivência perto do local de trabalho (-14%) e de escolas e infantários (-21%). Em relação às características da casa, o interesse em ter terraço ou jardim tem crescido (+ 29%), ao passo que são indiferentes à possibilidade de terem piscina ou sala para teletrabalho.

Em relação à possibilidade de aquisição de casa própria, 28,4% dos inquiridos ​​afirmam que reduzir despesas na compra, como baixar o ICMS de 10% para 4%, seria o melhor incentivo; 25,4% seriam incentivados a dar este passo com condições de financiamento mais atractivas (hipoteca jovem, empréstimo a 90% ...); e 17,9% ponderam o arrendamento com opção de compra, dando apenas 5% do preço no pagamento da para a aquisição.

PUB
TURISMO
Madeira, Lisboa e Algarve são os melhores destinos do mundo
28 de novembro de 2020
ARRENDAMENTO
Governo vai enviar à AR proposta sobre apoio a rendas não habitacionais
25 de novembro de 2020
PUB
PUB
INTERNACIONAL
Sentimento económico e expectativas de emprego afundam na zona euro
27 de novembro de 2020
PUB