CONSTRUÍMOS
NOTÍCIA
sábado, 15 de agosto de 2020
Escritórios
Escritórios iniciam ano com crescimento de 50% apesar da falta de oferta

Escritórios iniciam ano com crescimento de 50% apesar da falta de oferta

13 de fevereiro de 2020

Não obstante a escassez de espaços novos disponíveis, a actividade no mercado de escritórios de Lisboa continua robusta e inicia o ano com uma ocupação de 14.062 m2, ou seja, 50% acima do desempenho do mesmo mês de 2019, de acordo com o Office Flashpoint da JLL referente ao mês de Janeiro. 

"Este início de ano prova que a procura de escritórios não dá sinais de abrandamento e que é urgente encontrar soluções relativamente rápidas para satisfazer as empresas que precisam de espaço já. Os projectos novos estão em desenvolvimento e alguns vão chegar ao mercado já este ano, mas enquanto o pipeline de nova construção não ganha a escala necessária, temos que apostar na requalificação e reconversão de edifícios já existentes. Não dar resposta à procura que existe hoje terá um enorme custo de oportunidade", refere Mariana Rosa, Head of Office & Logistics Agency & Transaction Manager da JLL.

Comparativamente ao mês anterior, Janeiro registou uma queda de 8%, embora o último mês do ano passado tenha tido uma performance muito acima da média, com mais de 22.000 m2 ocupados.

As áreas de grande dimensão voltaram a nortear a procura, com a área média por operação em Janeiro a totalizar 2.009 m2. O mês registou apenas 7 operações, incluindo a ocupação de um edifício na avenida Infante D. Henrique, num total de 6.146 m2. A ocupação de 3.638 m2 no edifício do GreenPark e de 2.892 m2 pelo Santander Consumer no Alagoa Office & Retail Center foram as outras duas operações com maior escala do mês. A zona 5 (Parque das Nações), que acolheu a maior operação do mês, foi a mais dinâmica, com 44% da ocupação no mês; seguindo-se a zona 3 (Novas Zonas de Escritórios), com 27% e influenciada pela operação de uma empresa de serviços financeiros; e a zona 6 (Corredor Oeste), com um peso de 22% e palco da já referida instalação do Santander Consumer no Alagoa Office & Retail Center.

Em termos de sectores da procura, novamente estas três operações influenciaram os resultados mensais, com a área de "Serviços Financeiros" a constituir-se como a mais dinâmica (46%), logo seguida de perto pelas empresas de "Serviços a Empresas", com um peso de 45%.

Importa ainda realçar que 69% da ocupação registada no mês de Janeiro foi gerada em mudança de instalações. 

PUB
TURISMO
Turismo interno limita quebra de hóspedes a 82% e de dormidas a 85,2% em Junho
14 de agosto de 2020
PUB
ARRENDAMENTO
Câmara de Lisboa abre 2º concurso de Renda Acessível com 30 novas casas
13 de agosto de 2020
PUB
PUB
INTERNACIONAL
França estima impacto no turismo em cerca de 40.000 milhões de euros
10 de agosto de 2020
PUB