CONSTRUÍMOS
NOTÍCIA
quarta-feira, 13 de novembro de 2019
Opinião

Ter a minha primeira casa: é pedir muito?

16 de setembro de 2019

Já tiveram aquela sensação de quererem viver sozinhos com o vosso dinheiro, ganho pelo vosso trabalho? Aposto que sim, até porque noutros países da Europa isto não é uma realidade distante, mas sim um processo natural que acontece bem mais cedo do que em Portugal.

A verdade é que antes de passarmos para a análise do mercado imobiliário para jovens (sobretudo nas grandes áreas metropolitanas), nós vivemos num país onde são se gosta de trabalhar, ou melhor, onde não se gosta que os jovens trabalhem. A afirmação em si pode parecer provocadora, mas não tem a ver com a educação que os pais dão aos filhos, ou às atitudes que os mesmos adotam. Falamos sim de uma postura parada e pouco proativa dos dirigentes do país no que diz respeito às regras de fiscalidade para os jovens, sendo melhor dar um exemplo: sabiam que se um jovem quiser ganhar uns trocos a servir coca-colas num casamento mais do que uma vez num ano, depois de acabar a sua isenção após abrir atividade nas finanças,  tem de fazer contribuições para a segurança social e caso tenha o irs ao abrigo dos pais, estes podem receber muito menos de reembolso?

O que é que isto quer dizer? Basicamente o Estado não promove uma emancipação financeira precoce para a sua juventude, introduzindo a ideia de que só se deve trabalhar depois do curso superior ou profissional porque de outra forma os encargos fiscais e financeiros são tão grandes que não vale a pena (salvo raras exceções que implicam uma via sacra no balcão das finanças mais perto de casa).

O problema é por sua vez agravado uma vez que estes jovens apenas entram em contacto com o mundo do trabalho e com a tarefa de gerir o próprio dinheiro muito mais tarde, sem qualquer noção de poupança e agravado por dois grandes problemas: salários baixos e casas muito caras para arrendar e para comprar.

Num país onde em qualquer programa eleitoral se advoga a reposição de rendimentos, a aposta no bem-estar das famílias, a inovação e tantas outras medidas que são repetitivas, falhamos numa questão básica para a economia nacional que é potenciar a população ativa que tem mais energia para dar, os jovens. Para tal, é necessário haver uma boa vontade por parte dos legisladores para introduzirem leis que das duas uma: ou deem mais poder de compra para uma pessoa sair de casa dos pais e comprar ou arrendar casa face aos balúrdios praticados nas principais cidades do país, ou adotar uma postura de combate à bolha imobiliária de inflação de preços que vemos no nosso quotidiano. Contudo, nesta última opção já cansa ver aquelas ‘maçãs’ bonitas mas com um saber ácido chamadas medidas dos programas de renda acessível que não são mais do que uma caça ao voto das pessoas com rendimentos menores, e não evidenciando uma preocupação com os jovens.

Deste modo, e visto estarmos ainda em setembro acho que não era pedir muito ao Pai Natal que começa a fabricar novos presentes depois das eleições em outubro que tivesse como preocupação garantir que através do mérito qualquer jovem pudesse ter a sua casa e começar a sua vida mais cedo. É pedir muito?

Vasco Garcia

Estudante da Faculdade de Direito de Lisboa

*Texto escrito com novo Acordo Ortográfico

PUB
ARRENDAMENTO
Rendas das casas aumentam 3,4% em Outubro em termos homólogos - INE
13 de novembro de 2019
PUB
PUB
PUB