CONSTRUÍMOS
NOTÍCIA
domingo, 9 de maio de 2021
Opinião
A síndrome do comboinho

A síndrome do comboinho

5 de abril de 2021

No meu último artigo abordei convosco os dois pesos e as duas medidas que alguns consultores conseguem ter nos negócios imobiliários. Duplicidades de critério que ocorrem nos pequenos negócios quando, por exemplo, se defende comissões 50-50 quando estas são do nosso interesse, mas que rapidamente se esquece quando não dá jeito. 

Os negócios em partilha são muitas vezes essenciais para o sucesso de um negócio, mas podem ser também um foco de problemas e dores de cabeça se estivermos, por hipótese, a trabalhar os grandes clientes investidores e os negócios de 6 dígitos. Há, aliás, um fenómeno curioso que se passa no sector e que decorre do que eu chamo a síndrome do comboinho, que ocorre quando estamos perante um activo bastante apetecível e que, normalmente, pode-se traduzir em comissões chorudas para as partes envolvidas.

Esta síndrome começa a aparecer quando nos enviam a informação de “tenho activo X no valor de Y milhões de euros com comissão 50-50” ou “procuro activo Y para cliente qualificado até x milhões com comissão 50-50”. E todos nós caímos nisto porque quem nos passa o pedido é de confiança.

Quando começamos a ver junto dos nossos parceiros se há possibilidade de haver um match é oficial: o comboio saiu da estação, desgovernado, e não se sabe bem onde e quando vai parar. Porque, se eu qualifiquei o meu cliente ou se estou seguro com o meu activo, a partir do momento em que os coloco em roda livre (mesmo que seja com parceiros de confiança) toda a qualificação foi pelo cano abaixo. Se isto termina nas segundas linhas, menos mal. O problema é quando, de repente, nos apercebemos que o nosso parceiro nos colocou a lidar com o primo do tio do amigo do pai do consultor que tem o activo ou o comprador. A possibilidade de um negócio destes acontecer é ínfima e andámos todos a perder tempo.

Acredito, também por isso, que estes negócios podem resultar se houver as chamadas parcerias bi-lateriais. Ou seja, eu tenho um parceiro que tem clientes óptimos e/ou activos bestiais, e ele é sempre o meu interlocutor directo. Se este, para satisfazer o meu pedido, anda a dividir o acordo que eu tenho com terceiros, será sempre um problema dele, e não meu (e o inverso naturalmente se aplica).

Se estas questões conseguem resolver-se de forma serena, outras há que causam engulhos e até, no limite, podem prejudicar relações profissionais e/ou de confiança. A síndrome do comboinho é sintomática disso mesmo e ocorre quando os consultores começam a preocupar-se mais com as comissões de um eventual negócio que ainda ninguém sabe se vai acontecer, do que resolver o problema dos clientes que representam (ou ajudam a representar). Gasta-se imenso tempo a definir quem recebe o quê, porquê e através de quem, assinam-se acordos e NDA´s para garantir que ninguém foge, para depois, afinal, o negócio não se concretizar por algum outro motivo.

Se perdemos apenas tempo para um negócio que nunca esteve fadado para acontecer, é chato, mas menos mal. Dramático, diria eu, é quando nestes processos perdemos também a confiança ou a amizade de quem sempre trabalhou connosco, um risco que se multiplica quando entramos, mesmo que seja de boa fé, num enorme comboinho.

Francisco Mota Ferreira

Consultor imobiliário

PUB
TURISMO
Cerca Design House: Refúgio no coração da Serra da Gardunha reabre portas
7 de maio de 2021
ARRENDAMENTO
Arrendamento em Portugal no radar dos investidores. Próximos anos serão de crescimento
7 de maio de 2021
PUB
PUB
INTERNACIONAL
Generali muito activa no mercado imobiliário europeu
7 de maio de 2021
PUB