CONSTRUÍMOS
NOTÍCIA
sábado, 11 de julho de 2020
Opinião
A propósito do programa 'Relançar' da APPII

A propósito do programa 'Relançar' da APPII

1 de junho de 2020

A recente iniciativa da APPII - Associação Portuguesa dos Promotores e Investidores Imobiliários parece-me oportuna, necessária e relativamente consensual, entre a maioria dos participantes na cadeia económica do negócio imobiliário. Parabéns à Direção e particularmente ao Hugo Ferreira, um dos mais recentes e ativos quadros do sector e um grande dinamizador do Mercado imobiliário. Não tendo por hábito alinhar pelo politicamente correto, gostaria de referir com agrado, que quanto à forma, organização e âmbito, a proposta me parece muito bem estruturada. Apenas um pouco tardia!. E explico:

As alterações de circunstância causadas pela pandemia e que motivaram esta importante iniciativa, já vêm de Março de 2020. E como tive oportunidade de assinalar num “post” publicado no “Linkedin” há já algum tempo, insurgi-me então, não pelas várias iniciativas já repetidas do Sr. Presidente da República, ao realizar frequentes visitas a empresas relevantes de outros sectores da economia, mas pelo facto de não ter visto incluído nessas iniciativas, uma visita sequer, às empresas da fileira do Imobiliário. Do mesmo modo e numa cadência frequente, o Primeiro Ministro tem recebido, e bem, algumas das várias Associações e Confederações Empresariais, tudo isto perante alguma passividade das Associações e Confederações que congregam os interesses dos “players” desta área.

Recordando a necessidade de um trabalho estatístico organizado, para melhor funcionamento da nossa atividade, que continua institucionalmente por fazer, mantenho a estranha sensação de não conseguir compreender, porque é que um conjunto de negócios, com uma contribuição estimada para o PIB Nacional de cerca de 15%, e com um peso aproximado de 10% na Contratação de Recursos Humanos, não tenham sido solicitados para as frequentes, formais e diversas visitas de trabalho do PR, nem para as reuniões em S. Bento, com o PM.

Conhecendo bem este importante mercado, constituído por muitas “quintas”, “feudos” e inúmeras idiossincrasias, perece-me ter chegada a hora da união de esforços de todos, numa convergência de interesses. E a iniciativa da APPII, forte pelo menos na aparência, deverá ser acarinhada por todos.

Gostava de ver menos “purismo” e menor individualismo de interesses dos empreendedores das várias subáreas desta promissora Fileira. Não haverá hotelaria, restauração, viagens, e toda a panóplia de negócios no turismo ou em outras áreas da economia, sem a presença incondicional da área imobiliária. Por isso estou já a imaginar ouvir, nos diretos das televisões e no final das reuniões de S. Bento, declarações impactantes dos representantes do Mercado Imobiliário, a par da legítima expressão de vontades da CIP, da CAP, da Confederação do Comércio, da Confederação do Turismo, etc,.

César M. S. Neto

Gestor, consultor e  especialista em Negócios Imobiliários, Golfe-Prime Resorts-Turismo-Construção

PUB
TURISMO
São Rafael Villas, Apartments & GuestHouse lança Villa V
10 de julho de 2020
PUB
ARRENDAMENTO
Imobiliárias vão promover Programa Renda Segura
10 de julho de 2020
PUB
PUB
INTERNACIONAL
Investimento imobiliário multifamily europeu deve ultrapassar os 22 mil milhões de euros
7 de julho de 2020
PUB