CONSTRUÍMOS
NOTÍCIA
terça-feira, 7 de abril de 2020
Habitação by century 21

Habitação: Preços sobem 9,6% em 2019 e desaceleram pela primeira vez em três anos

23 de março de 2020

O índice de preços da habitação (IPH) aumentou em média 9,6% em 2019, menos 0,7 pontos percentuais face a 2018, tendo no último trimestre aumentado 8,9%, menos 1,4 pontos percentuais face ao trimestre anterior.  

O INE - Instituto Nacional de Estatística divulgou hoje que “pela primeira vez, nos últimos três anos, registou-se uma desaceleração dos preços”.

Os preços das habitações existentes apresentaram um aumento médio anual superior ao observado nas habitações novas, 10,1% e 7,6%, respectivamente.

No ano de 2019 transaccionaram-se 181.478 habitações, o que representa um aumento de 1,6% face 2018.

Neste período, o valor das transacções totalizou 25,6 mil milhões de euros, mais 6,3% comparativamente ao ano anterior.

Do valor total, 20,7 mil milhões corresponderam a vendas de habitações existentes e 4,9 mil milhões a habitações novas.

No conjunto do ano passado, a Área Metropolitana de Lisboa e a região Norte concentraram 63% do número total de transacções.

“Pela primeira vez, desde 2013, registou-se uma redução do peso relativo conjunto destas duas regiões”, refere.

O centro, com um total de 35.024 transacções e o Alentejo com 11.279 habitações vendidas, foram as duas regiões nacionais que mais cresceram em termos de quotas relativas regionais, 1,6 pontos percentuais e 0,3 pontos percentuais, respectivamente.

Nos últimos três meses do ano, o crescimento dos preços das habitações existentes fixou-se nos 9,8%, o dobro da taxa de variação observada nas habitações novas (4,9%).

Neste período, realizaram-se 49.232 transacções, traduzindo-se numa taxa de variação homóloga de 6,1% e num aumento, face ao trimestre anterior, de 7,4%.

Em valor, as habitações transaccionadas totalizaram 6,9 mil milhões de euros, mais 12,2% que no mesmo período de 2018.

O INE avisa que a informação deste destaque não reflecte ainda a situação actual determinada pela pandemia Covid-19.

“É de esperar que as tendências aqui analisadas se alterem substancialmente. De qualquer modo, a informação hoje disponibilizada é útil para estabelecer uma referência para avaliar desenvolvimentos futuros”, refere.

LUSA/DI

PUB
ARRENDAMENTO
Covid-19: Presidente da República promulga regime excepcional para o pagamento de rendas
6 de abril de 2020
PUB
PUB
PUB