CONSTRUÍMOS
NOTÍCIA
quarta-feira, 27 de outubro de 2021
Habitação by century 21
Até ao Covid-19, os preços das casas em Portugal subiram 1,6%

Até ao Covid-19, os preços das casas em Portugal subiram 1,6%

31 de março de 2020

Nos três primeiros meses do ano, os preços das casas em Portugal subiram 1,6% no primeiro trimestre de 2020 face ao trimestre anterior, fixando-se em 2.060 euros por metro quadrado (m2).

De acordo com os dados do índice de preços do idealista, em termos anuais, ou seja, face aos primeiros três meses do ano passado, o aumento foi de 11,4%.

Segundo César Oteiza, director geral do idealista Portugal, o relatório do idealista estuda a evolução dos preços de venda das casas no primeiro trimestre do ano, pelo que, a situação de emergência nacional ainda não está reflectida nestes números”. “No período em análise, os dados contemplam uma ligeira subida no mercado português, sendo que a partir de agora, assistiremos provavelmente a descidas nos preços da habitação em Portugal, ainda que o cenário após o período de confinamento seja ainda de total incerteza. Tudo vai depender da duração e dimensão da crise gerada pela pandemia, a par da capacidade de recuperação da economia portuguesa”.

O índice mostra que todas as regiões assistiram a um aumento de preços em termos trimestrais com excepção do Centro, que apresenta uma descida de -0,6%. Destaque para o Norte, que viu os preços crescerem 3,6%. Seguem-se, por esta ordem, Alentejo (3%), Área Metropolitana de Lisboa (2,2%), Algarve (2%) e Região Autónoma da Madeira (0,6%).

A Área Metropolitana de Lisboa, com 3.007 euros por m2, continua a ser a região mais cara, seguida pelo Algarve (2.252 euros por m2), Norte (1.717 euros por m2) e Região Autónoma da Madeira (1.566 euros por m2). Do lado oposto da tabela, encontra-se o Centro (1.040 euros por m2) e o Alentejo (1.047 euros por m2).

Quanto aos distritos analisados, os maiores aumentos a tiveram lugar em Évora (6%), Porto (4,6%), Setúbal (4,4%), Viseu (4,4%), Braga (3,4%) e Vila Real (3,1%). No caso de Coimbra e Lisboa, a subida foi de 2,6% e 1,4%, respectivamente.

Por outro lado, desceram em Leiria (-5,9%), Guarda (-3,8%), Beja (-1,6%) e Bragança (-0,1%).

O ranking dos distritos mais caros continua a ser liderado por Lisboa (3.321 euros por m2), seguido por Faro (2.252 euros por m2) e Porto (2.005 euros por m2). Os preços mais económicos encontram-se na Guarda (647 euros por m2), Castelo Branco (696 euros por m2), Portalegre (727 euros por m2) e Bragança (749 euros por m2).

 

Os preços aumentaram em 16 capitais de distrito, com a Vila Real (9,4%) a liderar a lista. Seguem-se Évora (7%), Castelo Branco (6,5%), Viseu (6%) e Viana do Castelo (5,5%). Já em Lisboa e Porto as subidas foram de 2,3% e 1,8%, respectivamente.

Por outro lado, foi na Guarda que os preços mais desceram: 7,6%. Seguem-se Bragança (3,4%) e Aveiro, onde a descida foi de 1,9%.

Lisboa continua a ser a cidade onde é mais caro comprar casa, 4.711 euros por m2. Porto (2.831 euros por m2) e Faro (1.892 euros por m2) ocupam o segundo e terceiro lugares, respectivamente. Já as cidades mais económicas são Guarda (632 euros por m2), Castelo Branco (737 euros por m2) e Bragança (739 euros por m2).

PUB
ARRENDAMENTO
Rendas das casas em Lisboa continuam 18% abaixo do Pré-Covid
26 de outubro de 2021
PUB
PUB
PUB