CONSTRUÍMOS
NOTÍCIA
sábado, 11 de julho de 2020
Arrendamento
Proprietários e inquilinos de Lisboa temem novo congelamento das rendas

Proprietários e inquilinos de Lisboa temem novo congelamento das rendas

13 de setembro de 2019

Proprietários e inquilinos de Lisboa são contra a ideia de limitar o valor das rendas como resposta à crise no sector da habitação, posição apoiada pelos mediadores imobiliários, afirmando que a medida teria “implicações trágicas”.

Lembrando o histórico de 100 anos de congelamento das rendas em Portugal, em que “tudo subia e as casas ficavam com valores perfeitamente irrisórios”, o presidente da Associação Lisbonense de Proprietários (ALP), Luís Menezes Leitão, defende que a aplicação de medidas de controlo dos preços provocaria, “mais uma vez, um agravamento da retracção da oferta”.

Em declarações à agência Lusa, o representante dos proprietários considerou ser “incomparável” a situação de Lisboa com a de outras cidades - como Berlim, onde foi aprovado o congelamento das rendas durante cinco anos para travar o aumento dos preços da habitação - e desvalorizou o impacto da “pressão turística” na crise habitacional que se vive na capital portuguesa.

“Quando vejo querer comparar Lisboa a Berlim, Barcelona, Paris ou Amesterdão, vejam a pressão turística que essas cidades têm. Nós estamos a ter turismo que nunca tínhamos, mas não tem nada a ver com esses números”, reforçou Luís Menezes Leitão, atribuindo a responsabilidade pela subida dos preços e diminuição da oferta de casas no mercado de arrendamento ao Governo, devido aos impostos que incidem sobre a propriedade, inclusive a criação do Adicional ao Imposto Municipal de Imóveis.

Com uma posição semelhante, o presidente da Associação dos Inquilinos Lisbonenses (AIL), Romão Lavadinho, recusou a aplicação de limites ao valor das rendas, advogando que “a propriedade privada tem o direito de, segundo as leis que existem - a lei a partir do Novo Regime do Arrendamento Urbano, a partir de 1990 -, arrendar ao preço que muito bem entender”.

“Não estamos de acordo com essa limitação. Achamos que isso é completamente voltar a um passado que não queremos, portanto a limitação das rendas não se deve colocar”, declarou, apontando como “solução possível" para a crise no sector da habitação o aumento da propriedade pública.

Esse aumento da oferta pública de habitação, sublinhou, pode ajudar a combater os preços especulativos e a reduzir o valor das rendas no mercado de arrendamento.

Admitindo receio quanto à aplicação de medidas restritivas no sector da habitação em Portugal, o presidente da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal, Luís Lima, lembrou a repercussão que teve uma notícia sobre essa possibilidade e que levou o Governo a pronunciar-se rapidamente, dizendo que não era verdade.

“Isso poderia ter implicações trágicas”, afirmou.

Na sua opinião, a intervenção tem de passar, antes, pelo Estado, uma vez que “tem capacidade para isso e tem dinheiro”, incluindo com o aumento da oferta habitacional.

“A receita fiscal sob o imobiliário é mais do que uma ‘árvore das patacas’, a receita dos últimos anos do crescimento do IMI [Imposto Municipal sobre Imóveis], do IMT [Imposto Municipal sobre Transmissões Onerosas de Imóveis], é estrondosa”, destacou o presidente da APEMIP, propondo que essa receita fiscal seja para “criar casa para os cidadãos nacionais”.

Em Junho, a secretária de Estado da Habitação rejeitou a aplicação de limites administrativos ao valor das rendas em Portugal, devido à reduzida oferta no parque habitacional público e à actual dinâmica de perda de casas no mercado de arrendamento.

“Não podendo cobrir isto com oferta pública, se, neste momento, em vez de tornar mais atractivo o arrendamento, ainda lhe colocamos restrições demasiado onerosas. O que pode acontecer é que […] aumentamos a crise habitacional, perdemos casas”, afirmou Ana Pinho, em entrevista à agência Lusa.

LUSA/DI

PUB
TURISMO
São Rafael Villas, Apartments & GuestHouse lança Villa V
10 de julho de 2020
PUB
ARRENDAMENTO
Imobiliárias vão promover Programa Renda Segura
10 de julho de 2020
PUB
PUB
INTERNACIONAL
Investimento imobiliário multifamily europeu deve ultrapassar os 22 mil milhões de euros
7 de julho de 2020
PUB