CONSTRUÍMOS
NOTÍCIA
segunda-feira, 18 de novembro de 2019
Habitação by century 21

75% dos promotores e investidores imobiliários pretendem lançar novos projectos nos próximos três meses

10 de outubro de 2019

De acordo com os primeiros resultados do Portuguese Investment Property Survey, hoje apresentados durante o SIL-Salão Imobiliário de Portugal, apesar de se mostrarem mais cautelosos, os promotores e investidores imobiliários permanecem bastante activos, quer no lançamento de novos projectos residenciais quer na procura de terrenos para desenvolvimento.

O Portuguese Investment Property Survey é um inquérito de sentimento e expectativas realizado pela Confidencial Imobiliário junto de um painel dos mais representativos promotores e investidores imobiliários, em associação com a APPII – Associação Portuguesa dos Promotores e Investidores Imobiliários.

De acordo com Hugo Santos Ferreira, Vice-Presidente Executivo da APPII, “enquanto representante dos promotores e investidores imobiliários, a APPII congratula-se pelo lançamento desta iniciativa. Era uma absoluta necessidade do mercado, existirem dados sobre o investimento e promoção imobiliária que estão em curso no país, especialmente numa altura em que a dinâmica nestes sectores é tão forte. É algo há muito pedido pelo mercado e que encontra agora uma resposta com qualidade”.

 

“Cautela e...nunca fizeram mal a ninguém” !

O inquérito referente ao 3º trimestre de 2019 revela que 75% dos promotores e investidores imobiliários inquiridos tem em perspectiva lançar novos projectos nos próximos três meses, expectativa que é transversal a todas as regiões cobertas pelo survey, mas que é especialmente evidente nas cidades de Lisboa e Porto. Além disso – revela ainda o inquérito, “87% dos inquiridos declarou também estar activamente à procura de terrenos para o desenvolvimento de novos projectos, confirmando o reforço futuro da actividade de promoção”.

Não obstante este sentimento positivo, os operadores activos no mercado mostram-se cautelosos quanto ao comportamento das vendas e dos preços, antecipando um abrandamento nas transacções e uma estabilização dos preços no 4º trimestre de 2019. No 3º trimestre, os inquiridos apontaram já uma evolução contida nas vendas, embora se tenham mantido mais optimistas relativamente ao comportamento dos preços.

 

Obstáculos e condicionantes

Os inquiridos do Portuguese Investment Property Survey apontam, contudo, três grandes obstáculos para a realização do potencial de investimento em nova promoção. A burocracia, e em especial o processo de licenciamento, é considerado por 74% dos inquiridos como um tema muito crítico nas restrições à actividade, seguidos dos custos de construção e dos preços dos terrenos. Estas são as três questões centrais para a determinação do custo total da operação e da sua viabilidade. No presente inquérito, a procura e o acesso ao crédito são as questões que menos preocupam os agentes enquanto factores inibidores da actividade de promoção e investimento.

Ricardo Guimarães, director da Confidencial Imobiliário, empresa responsável pela iniciativa, afirma que “O survey mostra que os promotores olham para o futuro com uma expectativa positiva de que o mercado abre oportunidades, mas com a consciência de que não são já oportunidades com janelas de valorização como antes. Parece existir uma noção de que há condições para dar continuidade a uma trajectória de investimento, mas com um reconhecimento dos limites do mercado e com uma identificação clara dos obstáculos, entre os quais se destacam o tempo de licenciamento das câmaras municipais. Conhecer bem os segmentos-alvo dos produtos é, assim, cada vez mais essencial para fundamentar bem as decisões tomadas” conclui.

 

PUB
ARRENDAMENTO
Englobamento obrigatório para rendimentos prediais terá “efeito perverso” no mercado – diz APEMIP
14 de novembro de 2019
PUB
PUB
PUB