CONSTRUÍMOS
NOTÍCIA
terça-feira, 7 de abril de 2020
Entrevistas

Está o imobiliário português preparado para a mobilidade eléctrica?

10 de março de 2020

O imobiliário tem de acompanhar o futuro e para isso é importante adaptar-se à mobilidade eléctrica em Portugal. ​​​​​​José Sacadura, CEO Power Dot, garante que os parques de carregamento eléctricos vão ser imprescindíveis.

A Power Dot, é uma startup 100% portuguesa e 100% sustentável, está à procura de parceiros de negócio, donos de parques de estacionamento, para fazer crescer o parque de carregadores eléctricos em Portugal. Para isso, a empresa assume os custos totais do equipamento, da sua instalação e a gestão da operação e ainda partilha as receitas obtidas com os donos dos parques. Em contrapartida, estes apenas têm que ceder o espaço. 

Apesar de Portugal ser o 4º país da Europa com maior percentagem de carros elétricos, e as vendas destes veículos terem aumentados 69% em 2019, o parque de carregadores não acompanha este crescimento. Um estudo recente da Federação Europeia dos Transportes e Ambiente, refere que o país precisa de 40 mil postos de carregamento até 2030, quando actualmente conta apenas com cerca de mil.

No primeiro ano de actividade, a electricidade consumida nos carregadores Power Dot permitiu aos condutores realizarem mais de um milhão de km’s, o equivalente a 2 viagens e meia Terra-Lua e poupar mais de 150 toneladas de CO2. 

De que forma vê a implementação da rede eléctrica para veículos nas cidades portuguesas?

O mercado da mobilidade eléctrica ainda está numa fase embrionária e a dar os primeiros passos. No entanto, existem diversos players, como a Power Dot, que estão a contribuir para o desenvolvimento desta forma de mobilidade sustentável através da instalação de mais postos de carregamento nas cidades portuguesas.

No caso da Power Dot, estamos empenhados em diminuir a dependência dos combustíveis fósseis através da criação de uma rede de carregadores sólida e disponível em todos os parques de estacionamento, sejam centros comerciais, centros empresariais, restaurantes, ginásios, centros de saúde, hospitais, entre outros. Para isso, estabelecemos parcerias com os proprietários dos parques de estacionamento e instalamos gratuitamente os carregadores. Os proprietários apenas têm que ceder o espaço e ainda recebem parte da receita.

Naturalmente, as maiores cidades nacionais, Lisboa e Porto, estão mais desenvolvidas e têm actualmente uma oferta maior, mas acreditamos que rapidamente outras cidades vão seguir o exemplo. Os carregadores já podem ser encontrados em 13 distritos e estamos a trabalhar para alargar a rede não só em quantidade em cada distrito, mas também pretendemos chegar a todos os distritos em Portugal continental e ilhas durante o ano de 2020.

Como o mercado imobiliário está a introduzir os sistemas de carregamento eléctrico nos seus novos projectos?

Em Portugal existem cerca de 25 mil veículos eléctricos e os dados de vendas revelam-nos que estes números vão continuar a crescer, pelo que é fundamental que o mercado imobiliário acompanhe esta tendência e dê uma resposta às novas necessidades dos consumidores. Inclusivamente, em Portugal, apenas 20% das casas têm estacionamento próprio, pelo que o utilizador destes veículos vai sempre recorrer a carregadores externos.

A Power Dot quer ser o parceiro de excelência dos promotores imobiliários, uma vez que o nosso objectivo passa por estabelecer parcerias com os proprietários dos parques de estacionamento para a instalação gratuita dos carregadores eléctricos. Além da instalação, a Power Dot ainda assegura a manutenção e a gestão de cada posto, retirando esse encargo dos promotores imobiliários.

Desde que exista um parque de estacionamento, a Power Dot quer estar presente. Estamos atentos a todas as oportunidades de mercado e disponível para colaborar com os diferentes promotores imobiliários que queiram acrescentar valor aos seus projectos.

E no espaço público?

Neste momento, está a decorrer um importante concurso da Mobi.e que vai dinamizar a mobilidade eléctrica em Portugal e aumentar consideravelmente o parque de carregadores. Para além de serem concessionados mais de 600 postos que estarão activos ainda este semestre, os carregamentos passarão a ser pagos o que é essencial a que haja um modelo de negócio que garanta a operação dos mesmos.

Quais os custos na implementação das redes?

Cada caso é diferente. Após o contacto inicial com o potencial parceiro, fazemos uma visita técnica ao local para levantamento dos requisitos técnicos e necessidades. Cada espaço tem as suas particularidades e os custos variam consoantes as especificidades de cada instalação.

Como vê a transição para a utilização dos veículos eléctricos em Portugal?

Os portugueses estão de parabéns. Portugal é o 4º país da Europa com maior % de vendas de veículos eléctricos e só em 2019 a venda destes veículos cresceu 69%. Estamos a provar mais uma vez que somos um exemplo de sustentabilidade na Europa e no mundo.

Ainda assim, acreditamos que a adesão poderia ser ainda maior caso existisse uma rede maior e mais forte de carregamentos que desse confiança aos utilizadores. Relativamente aos preços, apesar dos valores praticados hoje em dia no mercado ainda não serem mais baixos do que os veículos a gasolina/gasóleo, o custo de utilização já compensa esta diferença. Os dados de vendas fazem-nos acreditar que os portugueses já perceberam as mais-valias da aquisição destes veículos quer a nível financeiro, quer ambiental e que vão continuar a substituir os combustíveis fósseis por eléctricos.

PUB
ARRENDAMENTO
Covid-19: Presidente da República promulga regime excepcional para o pagamento de rendas
6 de abril de 2020
PUB
PUB
PUB