CONSTRUÍMOS
NOTÍCIA
sexta-feira, 26 de fevereiro de 2021
Opinião
Um portal só para mediadores?

Um portal só para mediadores?

22 de fevereiro de 2021

Não tenho ainda, confesso-vos, opinião final formada sobre o que hoje trago, mas, pelo que tenho lido e conversado com diversos players do imobiliário, há uma reivindicação crescente para a criação de um portal 100% profissional. Neste portal, mediadores e agências poriam, em igualdade de circunstâncias, os seus imóveis para que estes pudessem ser vistos, de forma livre e gratuita, pelo público em geral e pelo sector em particular. No fundo, dar-se as mesmas armas e oportunidades a mediadores e a proprietários, tratando igual o que deve ser considerado igual e diferente o que tem de ser entendido como diferente.

Percebe-se que há esta suposta necessidade porque, se estamos atentos ao sector, notamos que tem havido algum ruído em relação aos portais que anunciam oportunidades no imobiliário. Porque estes continuam a permitir anúncios particulares e a gestores de propriedades (onde se incluem em larga maioria pessoas e empresas sem licença AMI), normalmente a custo zero, enquanto que, ao mesmo tempo, pedem que seja paga toda e qualquer publicação que seja feita por profissionais.

Mas não só. Porque não existe fiscalização concreta, nestes mesmos portais de acesso livre para particulares, mas a pagar para o imobiliário, há pessoas que, sob a capa de serem particulares (e obviamente não sendo), divulgam activos a custo zero.

Acredito que a guerra não será tanta pelo mediador X que mete uns anúncios à borla no OLX ou no Facebook, mas mais pelos que aproveitam todas as borlas possíveis e disseminam estes mesmos imóveis nos portais ditos de referência do Imobiliário, queimando o activo e fazendo dumping na concorrência.

Aqui chegados, que caminhos a fazer? Pode-se assumir uma posição de força, como a que fez aquela marca que começa por R e acaba em X e tem EMA pelo meio, que mandou às urtigas os acordos que tinha com o Imovirtual e o OLX (confesso-vos que desconheço se rompeu com todos), e está a apostar cada vez mais no seu site próprio e nas suas plataformas. Uma opção que, em termos de tráfego e page views, acredito que já faça sombra a alguns portais da especialidade.

Embora seja uma atitude coerente da marca, tenho a noção que esta é uma posição que, por falta de recursos (ou visão estratégica), não é seguida por milhares de pequenas e médias agências que pululam no nosso mercado e que precisam dos portais como o Idealista ou afins para, a troco de um fee, promoverem os seus imóveis.

Pelo que me vão dizendo, se fosse ultrapassada a desconfiança de partilhar dados, uma solução possível poderia passar pela criação de um portal criado e gerido pela APEMIP, com regras e direitos iguais para todos - agências e consultores – e de acesso livre ao público em geral. Algo que esvaziaria a lógica de existirem anúncios profissionais nos portais imobiliários e que seria uma solução idílica, se este não fosse um sector conhecido por albergar e defender tudo e o seu contrário.

Como me dizia um reputado broker, a força dos portais imobiliários - como os Idealistas desta vida - resultam apenas da falta de união de todos e da total inação das associações que nos representam. No dia em que o sector conseguir essa união, até as pequenas agências percebem que é mais benéfico contribuírem para um portal comum e não para outros quaisquer. Sinceramente, eu não colocaria as expectativas muito elevadas: acho que mais depressa as galinhas terão dentes.

Francisco Mota Ferreira

Consultor imobiliário

PUB
TURISMO
Mais de 60 organizações de viagens e turismo pedem à UE plano para Verão
25 de fevereiro de 2021
ARRENDAMENTO
Proprietários receiam que incumprimento de rendas vá aumentar este ano
17 de fevereiro de 2021
PUB
PUB
INTERNACIONAL
FIFA world Cup Qatar 2022: construção de 7 estádios já levou à morte de mais de 6.500 trabalhadores migrantes
24 de fevereiro de 2021
PUB