CONSTRUÍMOS
NOTÍCIA
terça-feira, 22 de setembro de 2020
Entrevistas
Portugal está bem posicionado para um crescimento significativo do mercado imobiliário

Portugal está bem posicionado para um crescimento significativo do mercado imobiliário

30 de julho de 2020

Promotor espanhol, Raúl Guerrero, CEO da Gestilar, acredita que Portugal está muito bem posicionado para um crescimento significativo do mercado imobiliário, até porque continua a existir mais procura do que oferta.

O Grupo que está a investir pela primeira vez em Portugal com a construção do Edifício Gestilar Residences Miraflores terá um custo de cerca de 26 milhões de euros e um prazo de duração de 23 meses. O empreendimento é composto por 111 apartamentos, com vista sobre o Parque Urbano de Miraflores, Parque de Monsanto e perto da Ribeira de Algés.

Em entrevista ao Diário Imobiliário, Raúl Guerrero revela que Portugal, e Lisboa em particular, é um mercado estratégico para a Gestilar e que outros projectos irão surgir.

Sobre as consequências da pandemia, admite que o sector imobiliário deve ser menos afectado do que outros sectores, uma vez que tem um ciclo de produção mais longo e que Espanha está muito bem preparada para enfrentá-la. No entanto, também confía na boa performance do mercado portugués.

Porquê investir em Portugal? O que o torna atractivo?

O mercado português é apelativo para nós devido a factores como por exemplo,  um importante desequilíbrio entre a oferta e a procura que, juntamente com uma economia em expansão e um forte investimento estrangeiro, o que  torna o mercado muito activo e com elevado potencial de crescimento. Gostaria também de destacar a confiança empresarial que Portugal tem gerado.O empreendimento de Miraflores é o primeiro no nosso país,  existem mais previstos? Quanto prevê investir?

Portugal, e Lisboa em particular, é um mercado estratégico para a Gestilar, razão pela qual continuamos a estudar operações e tentamos formalizar novas operações que aumentem e consolidem a nossa presença no país. Além disso, constatamos que o Porto é uma cidade que oferece projectos interessantes, com um mercado maduro e solvente, e que está a crescer significativamente.

Quais as maiores dificuldades que sente no desenvolvimento deste  projecto? Que diferenças encontra entre Portugal e Espanha?

O mais importante a fazer quando se desembarca num país diferente é adaptar a nossa forma de fazer as coisas às necessidades e exigências locais. Para tal, o know-how local é muito importante, e a nossa forma de o adquirir, sem qualquer dúvida, é em primeiro lugar criar equipas locais com pessoas do país, bem como contar com os melhores fornecedores possíveis, mas sempre do país de destino.4 - Como analisa esta crise provocada pela pandemia? de que forma a  Gestilar tem superado este momento?

Estamos a encarar esta situação de várias perspetivas:

  1. Marketing de projectos em curso: todos os projectos que temos em curso foram cuidadosamente seleccionados no momento da compra, nunca comprámos carteiras de terrenos e pudemos escolher os nossos projetos um a um. Isto torna-os muito resistentes a este tipo de situação devido à sua excelente localização e ao design cuidadoso do produto que os constitui, tendo também optado por localizações menos centrais, espaços maiores, casas maiores e áreas verdes importantes, uma aposta que a procura actual nos está a reconhecer e a recompensar.
  2. A nível financeiro, a nossa estrutura é extremamente solvente graças aos grandes parceiros que nos acompanham nos projectos. A dívida que temos é muito baixa, e sempre associada a projectos concretos com obras iniciadas, que têm níveis elevados de pré-venda que os tornam viáveis sem necessidades adicionais de marketing importantes daqui até à entrega.
  3. Processo produtivo: Com a criação da Gestilar Construcciones há mais de um ano, o nosso processo produtivo é muito mais limitado e estamos menos dependentes das variações do sector da construção, tendo a nossa própria empresa de construção e não construindo para terceiros, apenas os nossos próprios projectos. Esta situação torna-nos alheios às possíveis tensões do sector da construção, tendo reiniciado as obras com força após a paragem forçada e estando neste momento em pleno funcionamento. Em algumas situações este negócio de construção não é exportável e devemos contar com empresas com uma presença local, como tem sido o caso em Lisboa, mas ter a inteligência do negócio da construção ajuda-nos a controlar este processo de construção com um fornecedor externo através de uma maior monitorização e controlo.

O que espera depois do Covid-19? Como o mercado imobiliário português deve reagir? Considera que existem diferenças na recuperação de Portugal e em Espanha?

Neste momento, em Espanha, vemos um sector muito preparado para fazer face a esta situação. A estrutura financeira dos promotores é muito solvente, com níveis de dívida muito baixos e, na maioria dos casos, com dívidas directamente associadas a projectos e com pouca dívida empresarial. Por outro lado, a qualidade de crédito dos bancos é geralmente bastante boa, uma vez que as taxas de pré-venda da maioria dos projectos em curso são bastante elevadas e mais do que suficientes para reembolsar a dívida associada. Esta estabilidade financeira significa que uma situação como a que estamos a viver não altera estruturalmente o mercado, uma vez que os promotores se concentram em continuar a desenvolver a sua actividade e os bancos continuam a fornecer a liquidez necessária para a sua execução.

Em relação a Portugal, a gestão da situação sanitária foi excelente, antecipando e intervindo numa fase muito precoce do problema, o que permitiu que a sua situação fosse significativamente reduzida. Francamente, vemos Portugal muito bem posicionado para um crescimento significativo do mercado.

O que o preocupa no futuro do mercado imobiliário português? E em Espanha e na Europa?

Embora seja óbvio que as pessoas podem sofrer uma mudança na sua economia e que serão necessários alguns meses para recuperar a estabilidade, a escassez de projectos no mercado e o atraso no arranque de novos projectos servirão como um ajustamento na oferta face a uma procura que soferá temporariamente um abrandamento. No entanto, todos apostamos que se trata de um problema temporário com um prazo relativamente curto.

Entendemos que o sector imobiliário deve ser menos afectado do que outros sectores, uma vez que tem um ciclo de produção mais longo. Terá um maior impacto no arranque de novos projectos, que serão em grande parte adiados, mas em menor medida nos empreendimentos em planta com previsões de entrega próximas ou superiores ao ano, uma vez que estas são decisões de compra muito ponderadas e a longo prazo.

PUB
TURISMO
CP prolonga campanha do Comboio Histórico do Douro
22 de setembro de 2020
PUB
ARRENDAMENTO
Quartos para arrendar dispararam entre Maio e Agosto mas procura caiu
21 de setembro de 2020
PUB
PUB
INTERNACIONAL
Marrocos: Turismo nacional perde 1,65 Mil Milhões de euros nos sete primeiros meses do ano
22 de setembro de 2020
PUB