CONSTRUÍMOS
NOTÍCIA
segunda-feira, 2 de agosto de 2021
Actualidade
“Braço-de-ferro” pela Herdade da Comporta Herdade-da-Comporta-a-venda - 03 Herdade-da-Comporta-a-venda - 01 Herdade-da-Comporta-a-venda - 04 Herdade-da-Comporta-a-venda - 05 “Braço-de-ferro” pela Herdade da Comporta

“Braço-de-ferro” pela Herdade da Comporta

12 de julho de 2018

O “braço-de-ferro” pela a compra da Herdade da Comporta está mais renhido que nunca. A disputa parece agora cingir-se ao consórcio Oakvest & Portugália (liderado pelo empresário britânico Mark Holyoake e pelo português Francisco Carvalho Martins, CEO do Grupo Portugália) e à parceria entre a filha do falecido empresário Américo Amorim, Paula Amorim, e o francês Claude Berda, dono daquela que é, actualmente, a maior empresa de promoção imobiliária em território nacional: a Vanguard Properties.

A Herdade da Comporta é a maior propriedade privada em Portugal com cerca de 12.500 hectares, dos quais 1.100 destinados ao cultivo do arroz e vários dedicados à produção de vinho, em estado e condições de enorme preservação ambiental. Mais do que a aptidão agrícola e florestal, é a vertente turística que maior interesse parece suscitar nos potenciais compradores, dadas as suas condições únicas, a sua extensa área verde, os seus dois campos de golfe e os vastos quilómetros de praia que confinam com o Atlântico.

A Herdade da Comporta integra a massa falida do Grupo Espírito Santo e a sua venda “deverá ser decidida a 27 de Julho num assembleia dos participantes do fundo imobiliário da Comporta”, sob a supervisão do Tribunal do Luxemburgo. Em causa estão duas operações em curso: a participação de 59% que a falida Rioforte do ex-GES detinha na sociedade Herdade da Comporta – Actividades Agro Silvícolas e Turísticas e o fundo imobiliário Herdade da Comporta FEIIF que gere o projecto turístico da Herdade.

O tribunal do Luxemburgo contratou o auditor internacional Clearwater Internacional que fiscaliza a operação.

Segundo noticiava ontem o Expresso, o consórcio entre o empresário britânico Oakvest & Portugália e a Portugália parece ter uma proposta mais vantajosa em detrimento da apresentada por Paula Amorim /Claude Berda.

A operação é de complicada compreensão dado existirem vários créditos detidos por diversas entidades como é o caso da empresa DCR&HDC Developments – Actividades Imobiliárias, Lda e a Caixa Geral de Depósitos, que é credora de 119 milhões euros. Segundo aquele órgão de informação, “com a diferença no tratamento dos créditos da DCR&HDC, a diferença na contrapartida em dinheiro entre as duas ofertas concorrentes ficava anulada, deixando as duas propostas empatadas nos 156 milhões de euros”. A ser assim parece escasso, já que na altura da falência do Grupo BES se falavam em valores para a Comporta na ordem dos 400 milhões de euros.

PUB
TURISMO
Sabe onde ficam os 10 destinos mais populares para fazer surf em Portugal?
30 de julho de 2021
ARRENDAMENTO
Arrendar casa em Lisboa custa agora 13,2 euros/m2
30 de julho de 2021
PUB
PUB
INTERNACIONAL
Mercado de hotéis aquece: Meliá compra Hotel Barcelona Apolo a fundo sueco por 90 M€
23 de julho de 2021
PUB