CONSTRUÍMOS
NOTÍCIA
quinta-feira, 9 de julho de 2020
Actualidade
Arranca projecto do EXEO Office Campus, no Parque das Nações, num investimento de 190 milhões ExpoOrienteOffice.jpg ExpoOrienteOffice02.jpg ExpoOrienteOffice03.jpg ExpoOrienteOffice021.jpg Arranca projecto do EXEO Office Campus, no Parque das Nações, num investimento de 190 milhões

Arranca projecto do EXEO Office Campus, no Parque das Nações, num investimento de 190 milhões

6 de março de 2020

A Avenue começou a construção do seu projecto de escritórios em Lisboa, o EXEO Office Campus, no Parque das Nações, com a conclusão prevista do primeiro edifício no 2º semestre de 2021.

O EXEO envolve um investimento global de 190 milhões de euros e, numa primeira fase, de 150 milhões de euros. Terá, além dos 70 mil m2 de escritórios, a maior zona aberta ao público de Lisboa desenvolvida por privados, com 13 mil m2 de jardins, numa área total de intervenção de 45 mil m2.

O EXEO deu início à primeira fase do projecto que abrange a execução das infraestruturas do loteamento e a construção do primeiro e maior edifício, o Lumnia, com 8 pisos e cerca de 30 mil m2 de área bruta de construção. Após um ano, seguir-se-ão o Aura, um edifício com 11 pisos e cerca de 17 mil m2 e o Echo com, aproximadamente, 21 mil m2 e 7 pisos.

Para Aniceto Viegas, director geral da Avenue, o EXEO Office Campus vem responder às necessidades dos tempos actuais e às novas formas de trabalhar. "Lisboa precisava desta solução porque não tem resposta para a procura existente e para os novos conceitos de trabalho que estão a conquistar as empresas. O espírito colaborativo do co-working e conceitos mais pioneiros como o free standing, fazem com que a oferta no segmento de escritórios tenha de se adaptar e dar uma resposta eficaz e flexível a essa necessidade".

Segundo estudos de mercado recentes, no final de 2019 a taxa de desocupação de escritórios era de apenas 5%. A falta generalizada de espaços disponíveis para escritórios tem limitado o crescimento do mercado que apresenta necessidades actuais na ordem dos 200 mil m2. Na zona do Parque das Nações verifica-se que a oferta é especialmente residual. Neste momento, o Lumnia é o único edifício de escritórios que está em construção em Lisboa (excluindo o corredor Oeste) e que ficará concluído em 2021.

Além da centralidade e acessibilidade do EXEO, com várias soluções de transportes a menos de 5 minutos a pé (metro, autocarros ou comboio) e da proximidade ao aeroporto, para Aniceto Viegas "foi essencial que a sustentabilidade tomasse um lugar de destaque neste projecto". O Campus é "atravessado por espaços verdes e praças, abertos à comunidade, com uma vasta oferta de serviços de apoio e áreas comerciais.  Os edifícios do campus serão equipados com 176 bike stations e de quase 700 lugares de estacionamento automóvel, 30% têm possibilidade de carregamento eléctrico rápido." O reduzido impacto ambiental do empreendimento tem como objetivo a certificação LEED Gold, símbolo global de excelência em sustentabilidade, e a obtenção de certificação energética A.

"Workplaces made for living": novas formas de trabalho

O EXEO é um espaço sem precedentes, em Lisboa, que vem introduzir um novo conceito de trabalho e bem-estar, com uma visão integrada de trabalho tanto no interior como no exterior. Com o projecto de arquitectura da autoria do gabinete Risco (masterplan e edifício Lumnia) e da BroadwayMaylan (edifícios Aura e Echo), este complexo vem dar resposta à procura por escritórios que potenciem a flexibilidade dos espaços de trabalho.

Num só campus, encontra-se soluções para todos os tipos de negócio, desde empresas de maiores dimensões, mais convencionais, a empresas com modelos mais flexíveis e pequenas start-ups em espaços de co-working. O objectivo deste hub empresarial é o de estimular o bem-estar no trabalho, com "locais de trabalho feitos para viver". As infraestruturas on-site, como mercados, restaurantes, cafés e serviços de apoio,bike stations e balneários, promovem um trabalho ágil, prático e mais flexível, focado nas Pessoas.

Os espaços interiores fluídos e dinâmicos, com vistas e luminosidade naturais, os jardins, os terraços, os pátios interiores e as praças são uma extensão natural do espaço interior, promovem um estilo de vida mais saudável e também permitem dinamizar o próprio hub empresarial que conta com estas workstationsexteriores como parte integrante dos espaços de trabalho.

PUB
TURISMO
Portugal entre as sete melhores viagens rodoviárias do mundo
8 de julho de 2020
PUB
ARRENDAMENTO
Finanças quer ver minuta de contrato antes de isentar rendas acessíveis de IRS/IRC
8 de julho de 2020
PUB
PUB
INTERNACIONAL
Investimento imobiliário multifamily europeu deve ultrapassar os 22 mil milhões de euros
7 de julho de 2020
PUB