CONSTRUÍMOS
NOTÍCIA
quarta-feira, 27 de outubro de 2021
Opinião
Das desculpas

Das desculpas

27 de setembro de 2021

Tenho já escrito aqui e defendido em diversos fóruns que das melhores coisas que este sector pode ter são as partilhas. Quando são, efectivamente, verdadeiras, permitem-nos conhecer pessoas competentes, extraordinárias, sérias e honestas, que percebem que o foco no negócio deve ser, em primeiro lugar, no cliente e depois, (talvez mais cá para baixo) nos nossos egos.

Por isso, também não entendo as marcas/agências que querem impor soluções draconianas e tentam que as partilhas, quando ocorrem com eles, sejam numa percentagem de 70/30, 60/40 ou outra modalidade menos igualitária. E, antes que venham defender que quem tem o activo é mais importante do que quem tem o comprador (ou vice-versa) convém já esclarecer que, da minha percepção, acho que são ambos importantes e fundamentais para se realizar o negócio. E, como tal, não há (ou não deveria haver) preponderância de um sobre o outro. Sejam as comissões 5% ou 3%. Sejam os valores de 200 mil ou 2 milhões.

Dito isto, percebo que existam consultores e agências que tenham, digamos assim, algumas reticências às partilhas. Porque foram enganados no passado por algum espertalhão, porque são egoístas e não gostam de perder nem a feijões. Ou apenas porque se esqueceram que os consultores imobiliários estão aqui para servir os seus clientes e não o contrário.

Seja como for, até percebo que não o queiram fazer e assumam essa posição de princípio logo ao início, quando recebem um contacto de um colega a pedir informações adicionais sobre o possível activo a partilhar. E, naturalmente, espero que essa mesma verticalidade seja transmitida ao cliente que entregou o imóvel para venda na esperança de que a agência em questão e o consultor em particular sejam céleres na venda do activo e resolvam o “problema” para o qual foram contratados da forma mais eficaz possível.

(NOTA: para os mais desatentos, a última frase era, obviamente, ironia, porque duvido, seriamente, que os consultores e as agências informem os clientes que não partilham a comissão negociada com terceiros porque, entre outras razões, querem o bolo só para eles).

Mas, dizia eu, até dou de barato quando os consultores e agências informam que a partilha não está no seu ADN e, como tal, não o fazem. O assunto fica encerrado e partimos para outra. Agora, o que me deixa mesmo alucinado são as desculpas esfarrapadas que se arranjam para evitar as partilhas, achando que quem lhes contacta adora comer gelados com a testa.

Não detestam quando o subterfúgio às vezes é de tal maneira básico e simples, que basta um telefonema a seguir feito por uma terceira pessoa a fingir que é cliente para que, milagrosamente, o imóvel volta a estar disponível? Fazendo com que o argumento de que estava reservado ou que os proprietários foram para Marte caia por terra porque nos identificámos como potenciais clientes e não como colegas.

E quem fica mal é, adivinhem, o sector. É triste que nos tratemos assim. E ainda é mais triste quando, para não perdermos o cliente que temos – ou para ganhar a sua confiança - mostramos as nossas fragilidades e fazemos telefonemas em alta voz ao pé dos nossos clientes para mostrar que a pessoa A, B, C e D da agência Y são uns egoístas porque não partilham o imóvel ou não concordam com a comissão. Relembro aqui duas verdades básicas: nas costas dos outros vemos as nossas e esquecemo-nos que o dinheiro (ainda) não paga tudo.

Francisco Mota Ferreira

Consultor imobiliário

PUB
PUB
TURISMO
Turismo de Portugal lança "Invest in Tourism"
26 de outubro de 2021
ARRENDAMENTO
Rendas das casas em Lisboa continuam 18% abaixo do Pré-Covid
26 de outubro de 2021
PUB
PUB
INTERNACIONAL
Novo Fundo de Investimento da Sonae Sierra adquire cinco supermercados na Alemanha
26 de outubro de 2021
PUB