CONSTRUÍMOS
NOTÍCIA
quarta-feira, 27 de outubro de 2021
Opinião
Da preguiça

Da preguiça

20 de setembro de 2021

Ao que parece, há agora por aí uma modalidade, que começa a ter adeptos entre alguns consultores imobiliários, que passa por partilhar activos que não estão angariados pelo próprio. Para que não exista confusão em relação ao que estou aqui a dizer, não estou a falar do nosso parceiro, que tem o activo em causa e nos pede ajuda. Porque acha que, entre a nossa base de dados, pode estar um potencial cliente. Ou porque considera que o podemos ajudar nessa busca porque, por exemplo, trabalhamos numa marca com maior dimensão do que a sua.

Esta opção que vos descrevi em cima enquadra-se no que normalmente se considera como uma partilha normal entre consultores e é algo que, diria eu, é comum. E cada vez mais essencial e desejável na busca das melhores soluções para satisfazermos os nossos clientes. Porém, o que eu quero aqui partilhar convosco é uma modalidade que, por uma questão de facilitação, vou apelidar apenas de preguiça.

E o que é a preguiça no imobiliário? Ou quando é que sabemos que estamos perante um negócio de preguiça? Quando, por exemplo, recebemos um telefonema ou uma mensagem de alguém – que, por norma, não é das nossas relações de confiança, mas chegou até nós através de terceiros – e que nos propõe o seguinte: uma partilha de negócio de um activo, que esta pessoa sabe que está no mercado, angariado por outra agência que não a do consultor que está a falar connosco.

Este activo é pintado como algo bastante atractivo, que não foi ainda vendido pela outra agência ou o outro consultor por incúria, desleixo ou má vontade (ou outro qualquer argumento que possa estar mais à mão). Depois, por norma, passam-nos a mão pelo ego, dizendo que sabem que somos uma barra e que temos imensos contactos que podem ser um fit e daí a conversa connosco. E, quando perguntamos se o imóvel está angariado por ele, a surpresa acontece: não está, mas apenas porque não tem comprador. Ou porque não quer. Porque, a partir do momento em que este comprador exista, o consultor dispõe-se a ir angariar o imóvel para, helás, partilharmos a comissão.

Como nestas coisas, há a óbvia desconfiança do consultor – porque não nos conhece e apenas chegou aqui por uma lógica, vamos ser simpáticos, interesseira - a descrição do imóvel é apenas uma frase, mandada por WhatsApp ou mail, a dizer a tipologia, a área, a zona, o preço pedido e pouco mais.

Esta informação segue, por norma, sem fotos nem links. Não vamos nós ser como ele e ir atrás do imóvel que nos foi “apresentado” e fazer o trabalho que o “consultor” deveria ter feito em primeiro lugar:  que era, naturalmente, angariar o imóvel. E, não tendo cliente no imediato, procurar, entre colegas, partilhas de quem pudesse suprir esta necessidade.

Agora, não angariar o activo, partilhar uma informação que roça o miserável e achar que está a ser um porreiro, porque até divide a comissão connosco de um activo (que não tem), para mim isso só pode ser tontice ou preguiça. Prefiro acreditar que será apenas preguiça.

Francisco Mota Ferreira

Consultor imobiliário

PUB
PUB
TURISMO
Turismo de Portugal lança "Invest in Tourism"
26 de outubro de 2021
ARRENDAMENTO
Rendas das casas em Lisboa continuam 18% abaixo do Pré-Covid
26 de outubro de 2021
PUB
PUB
INTERNACIONAL
Novo Fundo de Investimento da Sonae Sierra adquire cinco supermercados na Alemanha
26 de outubro de 2021
PUB