CONSTRUÍMOS
NOTÍCIA
segunda-feira, 2 de agosto de 2021
Opinião
Arrendamento em tempo de pandemia – um regime ainda incompleto

Arrendamento em tempo de pandemia – um regime ainda incompleto

7 de abril de 2020

A situação excecional causada pelo COVID-19, a declaração do Estado de Emergência e a limitação da circulação de pessoas daí decorrente impuseram a adoção de medidas excecionais em matéria de arrendamento, visando a estabilidade e a salvaguarda do direito à habitação, mas também a mitigação dos seus efeitos nas empresas cujos estabelecimentos foram forçados a encerrar.

Sem prejuízo do mérito e do vasto alcance das soluções ora adotadas, a verdade é que o legislador não foi preciso e, fruto do voluntarismo e da pressão em legislar contra o tempo, deixou um campo aberto para dúvidas interpretativas, que se não forem sanadas serão objeto de potencial conflitualidade.

Veja-se, desde logo, a suspensão dos efeitos de todo o tipo de formas de cessação contratual, na qual foi também incluída a revogação. Como se sabe, esta não mais não é do que um acordo de cessação do contrato celebrado de livre vontade entre as partes. Deste modo, a referida suspensão só deverá abranger as revogações celebradas antes do Estado de Emergência, mas cujos efeitos se produziram após a sua declaração, uma vez que o mesmo foi celebrado sem que as partes pudessem conhecer ou antecipar as circunstâncias em que tal acordo viria, no futuro, a produzir os seus efeitos.

Depois, o regime excecional nada diz em relação aos encargos e despesas que corram por conta do arrendatário. Ou ainda em relação à situação dos arrendamentos que incluem lugares de estacionamento, em especial aqueles em que claramente se distingue valor da renda respeitante aos lugares de estacionamento. Tais pagamentos seguem a regra de diferimento das rendas ou continuam a vencer-se durante o período de vigência do estado de emergência e durante o primeiro mês subsequente? Não podemos esquecer que a mora do arrendatário, que constitui fundamento de resolução do contrato de arrendamento nos termos do disposto no artigo 1083.º do Código Civil, respeita não apenas à renda, mas também aos encargos e despesas que corram por conta do arrendatário.

Por outro lado, numa medida de grande impacto social, sobretudo para aqueles que se viram numa situação de dificuldade económica, é previsto um apoio financeiro que, uma vez mais, parece cingir-se ao valor da renda, sendo omisso em relação às despesas e encargos do imóvel, ou em relação a outras prestações de serviços do senhorio relativamente ao imóvel, como tantas vezes acontece.

Ainda sobre as medidas de apoio financeiro, verifica-se não existir qualquer tipo de apoio financeiro disponível para proteger a posição do senhorio nos contratos de arrendamento não habitacionais, durante o período em que vigore o Estado de Emergência e no primeiro mês subsequente. Enquanto as medidas aplicáveis aos contratos de arrendamento habitacionais permitem que o senhorio possa recorrer diretamente ao apoio financeiro do IHRU, quando o seu arrendatário não o faça, no caso dos arrendamentos não habitacionais, o senhorio ficará obrigado suportar o encargo do diferimento do pagamento das rendas, sem qualquer mecanismo de salvaguarda para a quebra do rendimento daí decorrente.

Uma última nota sobre a extensão, embora limitada, do regime aos contratos celebrados por entidades públicas, não impondo a estas a obrigação de aceitar o diferimento do pagamento de rendas por arrendatários que se encontrem numa situação de quebra de rendimentos. Esta é uma diferença substancial, que deixa os arrendatários incompreensivelmente à mercê da disponibilidade e discricionariedade daquelas entidades.

À semelhança do que tem acontecido com outros regimes excecionais aprovados no contexto da crise pandémica que vivemos, será desejável a clarificação, pelo legislador, de questões como as anunciadas acima, as quais serão certamente suscitadas pelos senhorios e pelos arrendatários.

Ana Luísa de Oliveira

Advogada Pinto Ribeiro Advogados

* Texto escrito com o novo acordo ortográfico

PUB
TURISMO
Sabe onde ficam os 10 destinos mais populares para fazer surf em Portugal?
30 de julho de 2021
ARRENDAMENTO
Arrendar casa em Lisboa custa agora 13,2 euros/m2
30 de julho de 2021
PUB
PUB
INTERNACIONAL
Mercado de hotéis aquece: Meliá compra Hotel Barcelona Apolo a fundo sueco por 90 M€
23 de julho de 2021
PUB