CONSTRUÍMOS
NOTÍCIA
quarta-feira, 27 de outubro de 2021
Opinião
A Construção e a Gestão de Projetos em Portugal

A Construção e a Gestão de Projetos em Portugal

17 de agosto de 2020

O setor da construção e imobiliário é um dos mais importantes drivers da economia portuguesa, contribuindo para mais de 15% do PIB, cerca de 50% do investimento e 10% do emprego. O investimento público e privado, nomeadamente em projetos complexos e de larga escala, tem representado uma crescente exigência de requisitos a cumprir, que reclamam standards e qualificações adequadas para a sua gestão.

Por outro lado, a construção é uma indústria altamente fragmentada e com várias questões ao nível da produtividade, qualidade, segurança, mão-de-obra, inovação e desenvolvimento, pelo que as empresas portuguesas devem incrementar a sua proposta de valor adotando estratégias de diferenciação significativas, eficazes e sustentáveis, para as quais o investimento, a formação e a qualificação são fatores chave.

À luz do investimento estrangeiro em ativos imobiliários e objetivando o sucesso dos projetos, a tendência tem sido para os clientes procurarem soluções integradas de gestão, desde a fase de consultoria até à entrega final do projeto, recorrendo a entidades independentes, especializadas e certificadas, com experiência local. De entre os tradicionais vetores da gestão de projetos (“the project management double triangle” - âmbito, custos, prazos, recursos, qualidade, risco), assegurar o melhor value for money, os limites orçamentais, e a adequada identificação e análise dos riscos tem assumido crescente relevância para a gestão dos projetos de construção.

Por definição, os gestores de projeto devem acompanhar todo o ciclo de vida do projeto, promovendo a integração da sua cadeia de valor. Contudo, tipicamente estão mais envolvidos nas fases de pré-construção ou construção, sem participação relevante nos estudos de viabilidade e na pós-construção. Tal propicia falhas de continuidade e previne a aplicação homegeneizada de processos nas várias etapas do projeto, conduzindo frequentemente a ciclos de vida adaptativos, ou seja, em que são fixados custos e prazos, mas o âmbito é definido à medida que o projeto avança.

Os gestores de projetos de construção são em grande número engenheiros civis com formação complementar em gestão, o que, embora por princípio possa ser apropriado, não prescinde da adequada experiência em projeto e construção e do entendimento sobre as funções necessárias para desempenhar o seu papel como gestores de projeto.

A diversidade de projetos e stakeholders na cadeia de valor da construção, juntamente com a escassez de standards oficiais e geralmente aceites na indústria, favorece a adoção de abordagens diferentes entre projetos e, por vezes, entre fases do mesmo projeto, incrementando assim o risco de erros e a dificuldade em comparar ativos, custos de projeto, desempenho e potenciais investimentos.

O atual panorama enleva a importância da gestão de projetos na promoção das melhores práticas e qualificações profissionais na indústria da construção portuguesa, que se quer cada vez mais eficiente e competitiva no mercado global. Neste sentido, existe também espaço para instituições internacionais como o RICS, PMI e IPMA demarcarem a sua posição neste setor, proporcionando benefícios como: certificação global; acreditação e reconhecimento; standards globais; formação avançada; rede de conhecimento mundial; e experiência.

Há assim uma oportunidade emergente para os gestores de projeto na construção portuguesa, fundada em formação, qualificação, regulação e standards, e capitalizada sobre o seu papel integrador e experiência em coordenação, colaboração e comunicação. Os gestores de projeto podem – e devem – também assumir um papel líder em iniciativas de inovação e desenvolvimento contribuidoras para um ambiente construído mais resiliente e sustentável, desbloqueando o potencial da transformação digital, economia circular e indústria 4.0.

A adequada incorporação do papel do gestor de projetos permitirá ao setor da construção e à economia portuguesa ultrapassarem alguns dos seus maiores desafios e beneficiarem de melhor value for money. A indústria deverá perguntar-se a si mesma: quais são os custos de oportunidade de não gerir e entregar projetos da forma mais acertada?

Mais sobre este tema no seguinte artigo desenvolvido por este autor:       Project Management in the Portuguese Construction Industry

Bruno de Carvalho Matos

MRICS, Eng Civil Sénior MSc PMP e MBA pela Católica | Nova

*Texto escrito com novo Acordo Ortográfico

PUB
PUB
TURISMO
Alojamento e Restauração com maior proporção de novas contratações no 2º trimestre
27 de outubro de 2021
ARRENDAMENTO
Procura de famílias estrangeiras que fixam residência em Portugal impulsionam mercado de arrendamento
27 de outubro de 2021
PUB
PUB
INTERNACIONAL
Novo Fundo de Investimento da Sonae Sierra adquire cinco supermercados na Alemanha
26 de outubro de 2021
PUB