CONSTRUÍMOS
NOTÍCIA
quarta-feira, 13 de novembro de 2019
Habitação by century 21

Desaceleração dos preços das casas será “lenta” - diz UE

8 de outubro de 2019

A subida do preço das casas desacelerou no início deste ano, mas a Comissão Europeia considera que a moderação de preços permanecerá “lenta” devido às taxas de juro reduzidas e as casas continuaram a ser canalizadas para alojamento local.

Apesar de se ter registado um aumento da oferta de casas novas e das licenças de construção, o que contribuiu para desacelerar a subida de preços, “é provável que o ritmo de moderação dos preços permaneça lento, à luz de uma conjuntura de taxas de juro baixas e do aumento da utilização de imóveis para alugueres de curta duração”, refere o relatório hoje divulgado na sequência da décima missão de acompanhamento pós-programa, que decorreu entre 14 e 19 de Junho passado, em Lisboa.

“Depois de uma forte recuperação que começou em 2015, o ritmo de crescimento dos preços das casas continua elevado”, indica o documento, que assinala que aquele ritmo registou algum abrandamento no início deste ano, por comparação com 2018.

 

Abrandamento da procura

No primeiro trimestre deste ano, o preço das casas registou uma subida de 9,2%, reflectindo um ligeiro abrandamento face aos 9,3% observados no trimestre imediatamente anterior e à média anual de 10,3% em 2018.

Também o número de vendas registou um abrandamento, tanto nas regiões mais turísticas, como o Algarve, como nas áreas metropolitanas de Lisboa e do Porto, onde esta tendência foi ainda mais acentuada.

Esta situação, é referido, “aponta para alguma moderação na procura que estará muito provavelmente relacionada com perspectivas de desaceleração da economia mundial, afectando as expectativas do mercado para o turismo e para a procura de imobiliário por parte de não residentes”, lê-se no relatório.

No que diz respeito às zonas do país onde o mercado imobiliário tem revelado maior dinamismo, o relatório assinala que no Algarve e no Porto “o aumento de preços permaneceu acima da média”, enquanto em Lisboa se verificou o contrário.

Para esta situação contribuiu “a recuperação substancial” no número de edifícios recém-construídos observada na área metropolitana de Lisboa.

O abrandamento no ritmo de crescimento dos preços foi também mais sentido nas transacções de casas novas do que nas usadas, mas o relatório salienta que as vendas de construção nova pesam apenas 15% do total das transacções e 19% do valor total transaccionado.

Lusa/DI

PUB
ARRENDAMENTO
Rendas das casas aumentam 3,4% em Outubro em termos homólogos - INE
13 de novembro de 2019
PUB
PUB
PUB