CONSTRUÍMOS
NOTÍCIA
domingo, 17 de outubro de 2021
Actualidade
Troço final da CRIL, obra executada pelo Governo aguarda sentença do tribunal

Troço final da CRIL, obra executada pelo Governo aguarda sentença do tribunal

3 de setembro de 2021

Comissão de Moradores Bairro Sta. Cruz de Benfica e Damaia espera sentença do tribunal sobre a obra que consideram ilegal por parte do Governo no troço final da Circular Regional Interior de Lisboa (CRIL) -Troço da CRIL Buraca - Pontinha.

Após 14 anos de ter sido interposta ação em tribunal, só agora foi possível apresentar as alegações finais. De acordo com a Comissão de Moradores, "neste longo período de tempo assistiu-se a várias manobras delatórias, desde alterações de juízes, à repetição do julgamento. A prova apresentada comprova de forma inequívoca a ilegalidade da obra, e o não cumprimento da Constituição".

Segundo os moradores, está em causa: O desrespeito pelas instituições do próprio Estado; o desrespeito pelo direito à participação pública dos cidadãos e a inacção da justiça perante factos irrefutáveis (14 anos em 1ª instância?).

Para os moradores, a "ineficácia da Justiça permitiu que o Governo avançasse com uma obra ilegal em clara violação da Declaração de Impacte Ambiental, apesar dos documentos oficiais que o comprovam.O facto de se ter avançado com uma obra diferente da que estava legalmente prevista, defraudou as espectativas de muitos cidadãos, com inerentes consequências na sua qualidade de vida, nomeadamente as populações do Bairro de Sta. Cruz de Benfica e da Damaia".

Outro aspecto também relevante apontado pela Comissão, foi o facto do contrato de adjudicação da obra ter sido atribuído à empresa Bento Pedroso, empresa detida pela construtora Odebrecht. "O facto de esta empresa ter sido seleccionada entre as nove empresas concorrentes, como a sétima mais cara, com um valor de mais de 16 milhões de euros em relação à proposta mais baixa, assim como a envolvência de uma empresa neste consórcio cujos responsáveis eram funcionários de topo da, à altura, Estradas de Portugal, motivou suspeitas de favorecimento, tendo sido feito um pedido de investigação à Procuradoria Geral da República e à Polícia Judiciária.Apesar da morosidade da Justiça através de manobras delatórias, que permitem branquear atos ilegais que prejudicam o Interesse Público e deixam impunes quem os pratica, esperemos que os responsáveis políticos que validaram esta solução projectual, em claro incumprimento da lei, sejam responsabilizados política e legalmente pelos seus actos, nomeadamente entre outros, o então Primeiro Ministro, José Sócrates, Ministro das Obras Públicas, Mário Lino e o Secretário de Estado das Obras Públicas, Paulo Campos.Fazemos votos para que a resiliência e atitude cívica de um grande número de cidadãos na luta pela legalidade possa de algum modo servir de exemplo", explicam em comunicado.

PUB
PUB
TURISMO
“Adaptar Turismo” mobiliza 5 milhões de euros para apoios a fundo perdido até 20 mil euros
15 de outubro de 2021
ARRENDAMENTO
Declaração de rendas que reduz IMI muda para de 1 de Janeiro a 15 de Fevereiro
14 de outubro de 2021
PUB
PUB
INTERNACIONAL
Beyoncé, o marido Jay-Z, uma jóia Tiffany de valor incalculável e uma mansão à venda por 42 milhões de dólares…
15 de outubro de 2021
PUB