CONSTRUÍMOS
NOTÍCIA
sábado, 11 de julho de 2020
Entrevistas
No mercado imobiliário de luxo os preços irão manter-se

No mercado imobiliário de luxo os preços irão manter-se

19 de maio de 2020

Chegou a Portugal em 2017, a Mexto é uma promotora imobiliária suíça, dirigida ao segmento de luxo. Já investiu 50 milhões de euros em 10 projectos residenciais em Portugal e tem como objectivo chegar aos 150 milhões. Miguel Cabrita Matias, Board Member & Head of Technical Department da Mexto, em entrevista ao Diário Imobiliário, admite que o nosso país está muito bem posicionado para atrair investimento mas necessita de rapidez na criação e implementação de condições apelativas ao investimento estrangeiro, em especial as que tocam à tributação fiscal.

 Que projectos a Mexto tem em curso em Portugal e quais os que se seguirão?

A Mexto tem de momento nove projectos em curso, em diferentes fases de desenvolvimento: Em construção temos o “Avencas Ocean View Residences”, situado na Parede, com uma localização ímpar na primeira linha de mar. Trata-se da reabilitação de um palacete do inicio do século XX, uma antiga residência de férias dos Cardeais Patriarcas de Lisboa e a construção a tardoz deste, de um edifício de linhas contemporâneas devidamente enquadrado. Este projecto terá 9 apartamentos de luxo com áreas muito generosas, todas as unidades terão vista de mar e grandes áreas de varandas e jardins. O condomínio terá ainda um ginásio e um SPA.

Igualmente em fase de construção temos o empreendimento Rodrigo da Fonseca 43, em Lisboa, cuja localização dispensa apresentações. Trata-se da reabilitação de um edifício também ele do início do século XX, sendo este um outro projecto direccionado ao mercado de luxo. Será constituído por 8 apartamentos de grandes dimensões com amplas varandas e um jardim comum a todas as unidades, com piscina, onde houve uma grande preocupação e um cuidado especial na preservação de elementos arquitectónicos de valor, tornando cada unidade numa peça de arte.

Com projecto aprovado e a aguardar licença de construção temos o Maison Eduardo Coelho, localizado no cosmopolita bairro do Príncipe Real. Trata-se da reabilitação de um edifício do século XIX que será futuramente constituído por 7 apartamentos com tipologias entre o T1+1 ao T3+1, todos com áreas bastante generosas e igualmente destinado ao segmento de luxo.

Por outro lado, ainda a iniciar a construção, brevemente teremos o nosso primeiro grande empreendimento destinado à classe média, de seu nome O´living, situado nos Olivais, muito perto do Parque das Nações e da Estação Oriente. Trata-se de um projecto de construção de 2 blocos de linhas contemporâneas que será constituído por 86 apartamentos, maioritariamente de tipologias T2 e T3, com estacionamento.

Ainda em fase de licenciamento camarário temos os Projectos: Ajuda Garden Residences, um projecto de construção novo em condomínio fechado com uma grande piscina comum; o Castilho 3, a reabilitação de um edifício do século XX; o Prior do Crato City Living , a reabilitação de um edifício do século XVIII e por último 2 projectos de pequenas dimensões de reabilitação de moradias do início do século XX: o S. Gens Townhouse e o Boa-Hora Ajuda Residence.

Além dos projectos acima descritos, a Mexto continua a explorar todas as oportunidades de negócio que tragam mais valias à empresa.

Qual o investimento já realizado e o previsto para o nosso país?

O investimento já realizado em Portugal ascende em números redondos a 50 milhões de euros, contudo, com o desenvolvimento dos projectos que detemos em carteira prevemos chegar aos 150 milhões.

As obras dos novos projectos não pararam. Como têm decorrido as vendas?

Iniciámos a promoção activa de dois projectos há relativamente pouco tempo, tendo já realizado vendas tanto no Rodrigo da Fonseca como nas Avencas. Contudo, sentimos o efeito desta situação de pandemia, pelo que as vendas praticamente pararam nesta fase, o que é natural se pensarmos que as pessoas estão confinadas, sem possibilidade de viajar e de visitarem os projectos. No entanto, estamos a verificar alguma mudança, desde que se começou a falar de levantamento do confinamento, existindo agora mais movimento não só nos nossos canais digitais como também pedidos de informação através de outros canais como por exemplo o telefónico.

Quais são as grandes dificuldades encontradas no nosso país?

As grandes dificuldades encontradas prendem-se essencialmente com a grande demora e a burocracia nos licenciamentos camarários, o pesado regime fiscal e as alterações legislativas que impedem que se façam previsões a longo prazo. Recentemente, temos vindo a verificar uma vontade de se mudar este paradigma, com implementação de medidas que visem acelerar os processos camarários, o que é de louvar.

Como vê o futuro do mercado imobiliário em Portugal? As previsões apontam para descida dos preços, é da mesma opinião?

Creio que a tendência não será igual em todos os segmentos. No mercado de luxo, onde a Mexto tem maior preponderância de projectos e cujos clientes são maioritariamente estrangeiros, creio que os preços se manterão e a haver algum ajuste será certamente positivo. Já no segmento para a classe média do mercado nacional penso que poderá haver ajustes em baixa, contudo creio que o abrandamento do ritmo de vendas é e será transversal a todos os segmentos nos próximos tempos.

Nesta crise Portugal tem passado uma imagem positiva no exterior, acredita que no futuro isso pode ser benéfico para o mercado imobiliário português?

Acredito que a forma como Portugal tem gerido a pandemia, a qual é reconhecida internacionalmente através de vários meios de comunicação social – europeus e não só, será mais um factor diferenciador a acrescentar aos já existentes, podendo influenciar a decisão de clientes internacionais em comprar imobiliário em Portugal. Obviamente não será apenas este um factor suficiente para atrair investimento, da mesma forma que o país foi um dos que melhor se posicionou na gestão da pandemia, terá igualmente de ser capaz de se posicionar da melhor forma e com maior rapidez  na criação e implementação de condições apelativas ao investimento estrangeiro, em especial as que tocam à tributação fiscal. Recordo-me, recentemente, de ter visto um artigo onde se referia Portugal como um dos melhores destinos para se morar no pós-covid, por exemplo. Acredito que o sector continuará a trabalhar para passar essa imagem e quanto à Mexto, tudo faremos para continuar a apresentar as mais valias de Portugal, assegurando o investimento tão necessário ao país.

PUB
TURISMO
São Rafael Villas, Apartments & GuestHouse lança Villa V
10 de julho de 2020
PUB
ARRENDAMENTO
Imobiliárias vão promover Programa Renda Segura
10 de julho de 2020
PUB
PUB
INTERNACIONAL
Investimento imobiliário multifamily europeu deve ultrapassar os 22 mil milhões de euros
7 de julho de 2020
PUB