CONSTRUÍMOS
NOTÍCIA
domingo, 29 de novembro de 2020
Actualidade
Até Setembro foram investidos 2.330 milhões de euros em imobiliário, atingindo novo recorde

Até Setembro foram investidos 2.330 milhões de euros em imobiliário, atingindo novo recorde

14 de outubro de 2020

O novo Marketbeat Portugal Outono 2020 da consultora Cushman & Wakefield, revela que mesmo num ano marcado pela pandemia da Covid-19, o investimento em imobiliário atingiu 2.330 milhões de euros entre Janeiro e Setembro, correspondendo a um aumento de 36% face ao período homólogo.

Segundo o relatório, este resultado foi influenciado pela concretização de algumas operações de grande dimensão, que contribuíram para um novo recorde no valor médio por transacção, duplicando o ano anterior e situando-se nos 67 milhões de euros.

A previsível quebra na receita operacional dos imóveis (particularmente nos sectores de actividade mais afectados) e a maior aversão ao risco pelos bancos no financiamento de transacções imobiliárias contribuíram para o abrandamento da actividade de investimento no segundo trimestre do ano que, com 141 milhões de euros transaccionados, registou uma quebra homóloga de 80%. Esta tem no entanto vindo a recuperar gradualmente ao longo do terceiro trimestre, com enfoque em logística e escritórios e nos segmentos core e core+.

Neste enquadramento, as estimativas de volume total de investimento para este ano situam-se na ordem dos 2.700 milhões de euros, uma quebra homóloga de 15%, registando ainda assim o terceiro máximo histórico de sempre em Portugal.

O capital nacional duplicou o volume investido (485 milhões de euros) no período em análise, mas os investidores estrangeiros continuaram a dominar a actividade de investimento imobiliário em Portugal, tendo sido responsáveis até ao terceiro trimestre por 80% do volume total transaccionado. A maior transacção desde que há registo, a aquisição de 50% da joint-venture Sierra Prime pela Allianz Real Estate e Elo à Sonae Sierra e APG, por cerca de 800 milhões de euros; contribuiu para que o sector de retalho tenha liderado a procura, atraindo 46% do total investido, com 1.058 milhões de euros. Seguiu-se o sector de escritórios, com 35% do volume total (cerca de 810 milhões de euros). Neste sector, destaque para a venda pela Kildare Partners, após dois anos de detenção, do Lagoas Park à Henderson Park Capital Partners por 421 milhões e euros e do portfolio PREOF pela Finsolutia à Cerberus por um valor estimado em 150-170 milhões de euros. O sector hoteleiro captou 13% do capital investido, na ordem dos 310 milhões de euros.

Neste contexto, as yields prime corrigiram ligeiramente em alta face a 2019, nomeadamente para os 4,10% em escritórios, 4,25% no comércio de rua e 5,10% em centros comerciais, refletindo um aumento entre os 10 e os 35 pontos base face ao final de 2019. Face ao aumento da sua atratividade, o setor industrial foi a excepção e, após um ligeiro aumento no segundo trimestre, encontra-se atualmente ao mesmo nível do início do ano, nos 6,00%.

PUB
TURISMO
Madeira, Lisboa e Algarve são os melhores destinos do mundo
28 de novembro de 2020
ARRENDAMENTO
Governo vai enviar à AR proposta sobre apoio a rendas não habitacionais
25 de novembro de 2020
PUB
PUB
INTERNACIONAL
Sentimento económico e expectativas de emprego afundam na zona euro
27 de novembro de 2020
PUB