CONSTRUÍMOS
NOTÍCIA
sexta-feira, 14 de agosto de 2020
Opinião
Orçamento suplementar 2020 e os Centros Comerciais

Orçamento suplementar 2020 e os Centros Comerciais

8 de julho de 2020

O Governo Português tem adotado diversas medidas excecionais e temporárias de combate aos efeitos do Covid-19. Nesse sentido, apresentou o Programa de Estabilidade Económica e Social (PEES), de forma a garantir a progressiva estabilização e retoma nos planos económico e social, sem descurar a vertente sanitária.

Considerando os seus impactos económico-financeiros e de execução orçamental, foi agora proposta a revisão e alteração do Orçamento do Estado de 2020. Entre as diversas propostas de alteração, foi proposto pelo PCP o aditamento do artigo 168.º-A, que prevê no seu n.º 5 que não sejam devidos quaisquer valores a título de rendas mínimas, até 31 de dezembro de 2020, no âmbito dos contratos de exploração de imóveis para comércio e serviços em centros comerciais, sendo assim apenas devido aos proprietários dos centros comerciais o pagamento da componente variável da renda, calculada sobre as vendas realizadas pelo lojista, mantendo-se ainda a responsabilidade deste pelo pagamento de todas as despesas contratualmente acordadas, designadamente as referentes a despesas e encargos comuns.

No passado dia 3 de julho, teve lugar a votação final global da proposta de lei, que foi aprovada no Plenário da Assembleia da República (note-se que, aquela proposta do PCP foi aprovada na especialidade sem votos contra e apenas com as abstenções do PS e PAN). Assim, salvo a hipótese remota de veto político pelo Presidente da República, ou pedido de fiscalização preventiva da constitucionalidade, o diploma deverá ser promulgado e publicado nos próximos dias.         

Como seria de esperar, diversos agentes e entidades ligadas ao setor imobiliário já se manifestaram sobre esta alteração ao Orçamento de Estado. Se, por um lado, entidades que representam os investidores e gestores de centros comerciais apontam fortes sinais de preocupação por parte dos investidores imobiliários, muitos deles estrangeiros, afirmando mesmo que muitos dos centros comerciais podem enfrentar graves dificuldades e mesmo a insolvência, por outro lado, aqueles que representam os lojistas congratulam-se com a aprovação da proposta, justificando que o esforço tem que ser partilhado pelos diversos agentes.

Sem dúvida que é uma alteração que terá um impacto significativo no setor, não se podendo olvidar que este já tinha sido alvo de medidas excecionais, visto que a Lei 4-C/2020, de 6 de abril, alterada pela Lei n.º 17/2020, de 29 de maio, consagra a possibilidade (também no âmbito dos contratos de exploração onerosa de espaços para fins comerciais), dos estabelecimentos abertos ao público destinados a atividades de comércio a retalho e de prestação de serviços encerrados ou cujas atividades foram suspensas, tal como os estabelecimentos de restauração e similares, de suspenderem o pagamento das rendas até dia 1 de setembro de 2020, ou após o término do mês subsequente àquele em que cessar o impedimento, se anterior àquela data, diferindo o pagamento dos valores vencidos durante esse período para os 12 meses seguintes, tendo como limite o mês de junho de 2021.

Nos atuais tempos conturbados que vivemos, os órgãos com poder legislativo têm a difícil função de manter o equilíbrio nas medidas aplicadas. Reconhecemos que não é um desafio fácil, mas é a função de quem governa. Em última instância, falhando esta intervenção, caberá ao próprio setor entender que os interesses de investidores e lojistas estão entrelaçados, que não sobrevivem isolados e que o sucesso de uns é o sucesso dos outros. Ora, a proposta do PCP, agora aprovada, consubstancia uma alteração profunda daquilo que foi a livre vontade das partes aquando da celebração destes contratos, uma alteração que coloca o risco da quebra da atividade comercial sobretudo nos proprietários dos centros comerciais, que assim se vêm obrigados a permitir a utilização da sua propriedade recebendo um sinalagma por tal utilização que, naquilo que tem sido avançado pelos mesmos, poder-se-á não se mostrar suficiente para possibilitar a sobrevivência destes mesmos centros.

Filipe Pereira Duarte

Associado da Abreu Advogados

*Texto escrito com novo Acordo Ortográfico

PUB
TURISMO
Turismo interno limita quebra de hóspedes a 82% e de dormidas a 85,2% em Junho
14 de agosto de 2020
PUB
ARRENDAMENTO
Câmara de Lisboa abre 2º concurso de Renda Acessível com 30 novas casas
13 de agosto de 2020
PUB
PUB
INTERNACIONAL
França estima impacto no turismo em cerca de 40.000 milhões de euros
10 de agosto de 2020
PUB