CONSTRUÍMOS
NOTÍCIA
quarta-feira, 27 de outubro de 2021
Actualidade
Portugal sobe um lugar e é 36.º no Ranking de Competitividade Mundial do IMD

Portugal sobe um lugar e é 36.º no Ranking de Competitividade Mundial do IMD

17 de junho de 2021

A Suíça lidera o Ranking de Competitividade Mundial do Institute for Management Development (IMD. Suécia, Dinamarca, Países Baixos e Singapura completam o top 5 e Portugal ocupa o 36.º lugar num ano marcado pela pandemia.

O estudo classifica 64 economias de vários pontos do globo e avalia em que medida cada uma delas promove a prosperidade da população. 

Segundo os especialistas do World Competitiveness Center do IMD, os países com melhor desempenho caracterizam-se por investirem na inovação, por diversificarem as actividades económicas e por apoiarem políticas públicas. O trabalho realizado nestas áreas antes da pandemia permitiu-lhes lidar de maneira mais eficiente com as implicações económicas da crise.

Nesta 33.ª edição do ranking, Portugal surge no 36.º lugar.  Em contraste com a vizinha Espanha, que caiu do 36.º para o 39.º lugar, Portugal subiu uma posição face ao ano passado. Apesar da sua descida nas classificações referentes ao desempenho económico (da 41.ª para a 43.ª posição) e à eficiência governativa (da 34.ª para a 38.ª posição), o país saltou de 41.º para 38.º em matéria de eficiência empresarial e conservou o seu 27.º posto na área da infraestrutura.

No que toca aos subcritérios ligados a estes quatro indicadores-chave, Portugal obteve melhores resultados ao nível do enquadramento social (20.ª posição), da saúde e do ambiente (23.ª posição), da legislação empresarial (27.ª posição) e da educação (29.ª posição). Os pontos fracos do país continuam a ser as finanças públicas (54.ª posição), a política fiscal (53.ª posição), as práticas de gestão (51.ª posição) e a economia doméstica (49.ª posição).

Os resultados do ranking baseiam-se numa combinação de dados estatísticos fornecidos por organismos nacionais e inquéritos a executivos que operam em cada país. Em Portugal, os executivos destacam factores de atractividade como a mão-de-obra qualificada, a competitividade dos custos, a fiabilidade da infraestrutura e atitudes abertas e positivas.

De acordo com o estudo, Portugal enfrenta uma mão-cheia de desafios em 2021. Além de garantir um crescimento do PIB acima da média europeia e adotar uma política fiscal e regulatória favorável às empresas e ao investimento, o país deverá desenvolver uma estratégia para a transformação digital e reformar os setores da justiça, da saúde, da educação e da segurança social. O estudo sublinha também a urgência de um acordo interpartidário com vista a uma estratégia nacional para lidar com os problemas demográficos do país, como o envelhecimento da população, a baixa taxa de natalidade e as migrações.

Europa mostra pujança

No mesmo ranking, a Suíça aparece classificada como a economia mais competitiva do mundo, subindo duas posições face ao ano passado. O país melhorou amplamente o seu desempenho económico, em particular ao nível do investimento internacional e do emprego. Os helvéticos também se destacaram pela sua eficiência governativa, ascendendo ao topo do ranking em matéria de finanças públicas e enquadramento institucional.

Os bons resultados da Suíça estendem-se a várias componentes ligadas à eficiência empresarial: produtividade e eficiência, mercado de trabalho, práticas de gestão, atitudes e valores dos gestores. Além disso, o país lidera os rankings de infraestrutura e educação, ocupando o 3º posto no de saúde e ambiente.

A Suécia, que subiu do 6.º para o 2.º lugar, também sobressai em matéria de desempenho económico, mais especificamente nas áreas da economia doméstica e do emprego. Registaram-se grandes progressos em matéria de eficiência governativa, com avanços ao nível das finanças públicas. Em matéria de eficiência empresarial, a Suécia melhorou ligeiramente nos subcritérios "produtividade e eficiência" e "práticas de gestão", mas apresentou grandes avanços ao nível do mercado de trabalho. O país permanece no topo do ranking de saúde e ambiente, além de conseguir um bom desempenho na educação.

Apesar dos seus sólidos resultados nos factores "comércio externo", "desempenho económico global" e "eficiência empresarial" (1.º lugar no ranking), a Dinamarca desceu do 2.º para o 3.º lugar. Na origem desta descida esteve um desempenho relativamente fraco em matéria de eficiência governamental (principalmente nas áreas da política fiscal e, em menor grau, das finanças públicas). A isto juntou-se um desempenho menos conseguido em matéria de infraestrutura, com ligeiras quedas em todas as componentes com exceção da infraestrutura básica.

No top 10 do ranking figura também a Noruega, que ocupa o 6.º lugar. Três outros países europeus galgaram três lugares: a Itália (do 44.º para o 41.º), a Grécia (do 49.º para o 46.º) e a França (do 32.º para o 29.º). A Europa de Leste manteve-se estável, ocupando os países desta região, em média, o 43.º lugar no ranking.

Apesar das flutuações económicas e das potenciais recessões previstas para a Europa, o ranking mostra que estas economias europeias têm os pilares certos para gerar prosperidade ao longo da próxima década, explicam os especialistas do World Competitiveness Center. Entre esses pilares contam-se, de acordo com os especialistas, a qualidade da educação e a fiabilidade dos setores privado e público.

 O facto de o Reino Unido ter subido de 19.º para 18.º é parcialmente atribuído à proximidade do país com a Europa num tempo de mobilidade limitada - e apesar do Brexit.

Perspectiva global

Graças aos seus progressos na redução da pobreza e no desenvolvimento da infraestrutura e da educação, a China subiu do 20.º para o 16.º lugar, dando continuidade à trajetória ascendente que tem vindo a percorrer ao longo da última década.

Singapura (5.º lugar), mesmo sendo o país asiático com melhor desempenho, não conseguiu manter a posição cimeira que ocupava nos rankings do ano passado e de 2019. De acordo com os analistas do World Competitiveness Center, o país teve problemas com a perda de empregos, a falta de produtividade e o impacto económico da pandemia.

Do ponto de vista regional, o Leste Asiático, a Ásia Central, a Europa Ocidental e a Europa de Leste subiram no ranking de competitividade deste ano. Pelo contrário, América do Norte, América do Sul e Sudoeste Asiático e África desceram.

O Leste Asiático manteve-se no topo da classificação. As economias desta sub-região ocupam em média o 17.º lugar no ranking de competitividade, uma posição acima da do ano passado. Isto significa que se inverteu a ligeira tendência descendente que se iniciara em 2018.

A Europa Ocidental dá continuidade à tendência positiva iniciada em 2019 e estreita o fosso que a separa do Leste Asiático em matéria de competitividade. Ao longo do último ano, os países desta sub-região melhoraram de maneira consistente o seu desempenho competitivo, ocupando em média a 19.ª posição.

 Enquanto região, a América do Norte (Estados Unidos, Canadá e México) continua em queda. Entre 2016 e 2021, os países desta sub-região caíram em média da 21.ª posição para a 26.ª posição do ranking de competitividade.

Os países do Sul da Ásia e do Pacífico sofreram uma pequena queda entre 2020 e 2021, da 28.ª para a 29.ª posição média.

No Sudoeste Asiático e em África, a perda de competitividade reflete-se numa queda da 34.ª para a 38.ª posição média.

Por sua vez, as economias da Ásia Central recuperaram alguma competitividade, ocupando em média a 46.ª posição.

A América do Sul, que tinha apresentado melhorias em 2019 e 2020, voltou agora a descer. Ao longo do último ano, os países desta sub-região perderam competitividade, pelo que cairam da 54.ª para a 57.ª posição (em média).

O Sudeste Asiático e África tiveram ligeiras quedas este ano. Só um país (a Jordânia, em 49.º lugar) apresentou melhorias. O Botsuana entrou no ranking este ano, ocupando a 61.ª posição.

PUB
PUB
TURISMO
Alojamento e Restauração com maior proporção de novas contratações no 2º trimestre
27 de outubro de 2021
ARRENDAMENTO
Procura de famílias estrangeiras que fixam residência em Portugal impulsionam mercado de arrendamento
27 de outubro de 2021
PUB
PUB
INTERNACIONAL
Novo Fundo de Investimento da Sonae Sierra adquire cinco supermercados na Alemanha
26 de outubro de 2021
PUB