CONSTRUÍMOS
NOTÍCIA
sábado, 16 de novembro de 2019
Opinião
Francisco Bacelar, presidente da ASMIP

Tendência de afetação de imóveis no sentido habitacional

22 de abril de 2019

Nos últimos tempos têm-se assistido à tendência de mudança da afetação de alguns imóveis destinados ao comércio e serviços para o uso habitacional, especialmente nos principais centros urbanos, onde a procura é maior. Surgiram inclusive alguns casos de alterações sem qualquer tipo de licença ou autorização legal, naturalmente obrigatória, e a sua venda de forma fraudulenta. Cabe às entidades oficiais fiscalizar e punir, e espera-se que não haja mediadores envolvidos, por não cumprirem com o dever de certificação da correspondência entre o que está no imóvel, e os seus respetivos documentos.

De uma forma geral parece-me uma tendência positiva, porquanto significa a transformação, de algo que está, e continuaria “estagnado”, por algo útil, com interesse económico, afinal de contas a “mola” que faz girar o mundo,

Tudo na vida se transforma e os imóveis não fogem à regra. Durante muitos anos, quase tudo o que se construía em zonas centrais tinha, no R/c, um espaço para comércio. Em alturas de maior procura de escritórios iam-se construindo também alguns prédios para esse efeito, muitos das vezes sem grandes condições.

Com o advento dos grandes centros comerciais, e também a multiplicação de zonas residenciais com algum pequeno e grande comércio de proximidade, deixou de haver tanta procura pelo comércio tradicional em zonas centrais, o que aliado, especialmente na última década à crise económica, levou ao fecho, de grande número desses espaços.

Nos escritórios, e depois dos piores anos da crise, e do excesso de oferta, assistiu-se novamente à procura, e aumento de preço. Contudo a exigência passou a ser maior, e os prédios em zonas centrais sem grandes condições para esse efeito, deixaram de ser apelativos pelo que muitos deles ficaram vazios, e assim continuam, numa situação que não beneficia ninguém.

Ora se há procura por habitação, e existem espaços vazios, faz todo o sentido a sua mudança de afetação, respondendo às necessidades do mercado, que assim encontra mais oferta. É também importante para o equilíbrio dos preços, e permite ainda a revitalização de espaços fechados, dando-lhes nova vida.

O primeiro e decisivo passo, será conseguir autorização unânime do condomínio. Sabe-se que a unanimidade é quase sempre de difícil alcance, e percebe-se que seja muito polémica ou quase impossível se a mudança fosse de sentido contrário. Contudo espera-se que não o seja nestes casos, de forma que alguns dos “elefantes brancos” das nossas cidades possam ser reutilizados, a bem de todos, desde condóminos, vizinhos, turismo, em suma a comunidade, e a própria sustentabilidade das nossas cidades.

Há contudo que prevenir que estas mudanças não sejam a regra, e que rapidamente se passe dos oito aos oitenta, como estava a acontecer com o AL. Apesar de difícil será sempre importante manter o bom senso.

Francisco Bacelar

Presidente da ASMIP

*Texto publicado na edição em papel  do Diário Imobiliário no Jornal Económico. Escrito com o novo Acordo Ortográfico

 

PUB
ARRENDAMENTO
Englobamento obrigatório para rendimentos prediais terá “efeito perverso” no mercado – diz APEMIP
14 de novembro de 2019
PUB
PUB
PUB