CONSTRUÍMOS
NOTÍCIA
sexta-feira, 14 de agosto de 2020
Opinião
Seriedade precisa-se (ou, à falta dela, regulação)

Seriedade precisa-se (ou, à falta dela, regulação)

1 de julho de 2020

“Hoje venho aqui para um desabafo …há uma agência que diz que faz partilha. Quando lhe apresentei um cliente comprador para o imóvel que tinham disseram-me que este já não estava disponível. Desliguei a chamada e meu cliente ligou para lá. O imóvel passou não só a estar disponível, como marcaram logo uma visita.”

“Tenho um imóvel para venda em não exclusividade e partilho o meu negócio com outra agência que me garante ter cliente comprador. Esta agência descobre onde o imóvel é e rouba-me o cliente e o negócio”.

“Procurei brokers para parcerias porque tinha cliente comprador para o que seriam os seus imóveis. Quando chegou a fase de concretizar negócio, descubro que o que estes afinal vendiam não era deles, mas de uma partilha e agora pedem-me para fazer a divisão da comissão a três”.

Os exemplos acima descritos não passam, felizmente, de exemplos. Mas, infelizmente, espelham uma triste e negra realidade de um sector que precisa urgentemente de novas regras ou regulação.

Todos sabemos que o turismo e o facto de Portugal subir nos rankings internacionais fez disparar a actividade imobiliária e hoje em dia o mercado está aberto (e cheio) de agentes e agências que prometem tudo e o seu contrário para garantir negócio. O problema, como em tudo na vida, é que o que é demais tende a dar em asneira.

Actualmente, desde que se paguem as respectivas licenças e não exista nenhum impedimento que ponha em causa a idoneidade, qualquer pessoa pode exercer uma AMI e ter a autorização do sector para isso. Uma simplificação que poderia ser benéfica para todos levou a que hoje em dia a profissão de consultor imobiliário não seja vista como tal: nem por quem contrata os nossos serviços nem pelos pares.

Simplificou-se tudo de tal forma que qualquer pessoa pode aqui chegar e dizer que é consultor imobiliário, que tem investidores nacionais e internacionais, que gere fundos ou que está à procura de oportunidades fantásticas. O que seria bom se fosse sempre assim e, acima de tudo, se fosse sempre verdade.

O problema é que em muitos casos infelizmente não o é e assistimos a uma verdadeira canibalização do sector: já não é a concorrência saudável de agências aliciarem consultores de outras agências, mas um completo desnorte e falta de triagem sobre quem as agências escolhem para os representar, com perdas reputacionais que deveriam fazer qualquer agência corar de vergonha e repensar o caminho do laissez faire et laissez passer que estão a trilhar.

Hoje em dia parece que qualquer CV serve, qualquer passado é irrelevante, desde que o “consultor” (entre aspas, obviamente) que tenhamos à nossa frente possa, com sorte, vender alguma coisa e trazer lucro para a agência. Pelo meio, claro está, dá-se-lhe uma formação (que deveria ser sempre paga para separar os que genuinamente querem ser consultores imobiliários dos que andam aqui a “mostrar umas casas”) e faz-se um investimento nos ditos profissionais que diariamente respondem a anúncios.

O problema nisto tudo é que esta estratégia, à la long compensa. E não é preciso as agências terem a sorte de encontrarem o Cristiano Ronaldo no Sporting. Basta já apanhá-lo no Manchester United que ainda vão bem a tempo de capitalizar o investimento feito – veja-se o caso do Real Madrid. 

Uma vez formados e formatados, estes consultores vão para o mercado tentar a sua sorte. Uma opção legítima, diga-se (todos nós já passámos por aí), mas que esbarra nalguns casos (felizmente poucos, espero) de mostradores de casas sem escrúpulos e sem princípios que podem fazer (quase) tudo porque o mercado não está regulado e porque no final o dinheiro fala mais alto. E como não temos uma Ordem dos Consultores Imobiliários, quem prevarica pode fazê-lo vezes e vezes sem conta. 

E o mercado como fica e como nos vê no meio disto tudo? Este será tema que espero responder em breve num próximo artigo.

Francisco Mota Ferreira

Consultor Parcial Finance

PUB
TURISMO
Turismo interno limita quebra de hóspedes a 82% e de dormidas a 85,2% em Junho
14 de agosto de 2020
PUB
ARRENDAMENTO
Câmara de Lisboa abre 2º concurso de Renda Acessível com 30 novas casas
13 de agosto de 2020
PUB
PUB
INTERNACIONAL
França estima impacto no turismo em cerca de 40.000 milhões de euros
10 de agosto de 2020
PUB