CONSTRUÍMOS
NOTÍCIA
sexta-feira, 26 de fevereiro de 2021
Opinião
Regime especial de expropriações de terras - mais simplicidade mas menos direito para os expropriados

Regime especial de expropriações de terras - mais simplicidade mas menos direito para os expropriados

14 de janeiro de 2021

O Governo aprovou em Conselho de Ministros o decreto-lei que executa a autorização legislativa concedida pela Lei n.º 59/2020, de 12 de outubro, e que diz respeito a um regime especial aplicável às expropriações de terras no âmbito do Programa de Estabilização Económica e Social (“PEES”).

A criação deste regime especial foi justificada para viabilizar uma mais rápida execução dos projetos previstos no PEES tendo em consideração o impacto económico e financeiro da pandemia de Covid-19.

A aprovação deste regime foi assombrada por críticas de diversos setores, que têm posto em causa a legalidade do diploma, que tem sido vista como inconstitucional perante a proteção do direito de propriedade privada, plasmada no artigo 62.º da Constituição da República Portuguesa, pelo facto de limitar de forma séria os interesses dos expropriados e interessados.

Defendem as ditas vozes que a garantia de tutela da propriedade não pode significar uma sistemática sujeição dos particulares a um poder que possa ser exercido de forma incondicionada, bem como que a declaração de utilidade pública não pode justificar o livre arbítrio ou o sacrifício dos interesses dos privados, proprietários de imóveis que de um momento para o outro, sem qualquer justificação, se veem privados e sem os mesmos, a pretexto da atribuição de uma indemnização que, a maior parte das vezes, nem sequer corresponde ao valor real de tais imóveis.

Dizem também que a circunstância do diploma considerar de utilidade pública e com carácter de urgência as expropriações dos imóveis e dos direitos inerentes necessários a construção, ampliação, reabilitação ou beneficiação de equipamentos, redes e infraestruturas, no quadro de intervenções do PEES, elimina a possibilidade de a entidade expropriante e outros intervenientes poderem chegar a acordos e também a possibilidade de a resolução de expropriar ser notificada previamente aos expropriados e interessados, impedindo-se que este possam, de alguma forma, agir ou executar o seu contraditório.

Mas será que estas críticas são efetivamente sustentadas e legítimas?

Conforme se pode verificar da lei de autorização legislativa, o diploma será de aplicação exclusiva aos projetos no âmbito do PEES, mas ainda assim é verdade que, neste âmbito, os direitos de defesa dos expropriados ficam restringidos, em face daqueles que são os seus direitos à luz do Código das Expropriações.

Neste sentido não se pode afirmar que este diploma dê efetivamente um cheque em branco ao Estado para expropriar de forma arbitrária e indiscriminada, na medida em que a sua atuação estará restringida ao escopo e fins indicados na resolução. Além disso, cabe assinalar que o decreto de lei não vem alterar os pressupostos das expropriações, nomeadamente no que concerne à fundamentação da necessidade e da utilidade pública da decisão de expropriar, o que veio fazer foi tornar o procedimento mais ágil.

Mas refira-se que não se trata da primeira vez, nem será seguramente a última, que é aprovado um regime especial de expropriações para fazer face a necessidades específicas de determinado projeto setorial do Estado, sendo possível apontar outras situações em que foi reconhecido o interesse público das expropriações, a natureza urgente das mesmas e adotados procedimentos especiais para as concretizar.

Com efeito, no âmbito daquele que podemos chamar de regime de expropriações ordinário, podemos dizer de forma simplista que a entidade pública para iniciar o processo necessita de invocar o interesse público, seguindo da audiência dos interessados, ou seja, das pessoas que vão ser expropriadas, mediante a publicação da intenção de expropriação em Diário da República ou pela notificação dos interessados.

Seguidamente, atribui-se um preço ao imóvel, que é feito por peritos oficiais, sendo que na eventualidade de o particular não estar de acordo com o valor ou com a expropriação, poderá recorrer aos tribunais para salvaguardar a tutela dos seus interesses e direitos. Só depois é que o imóvel é entregue à entidade pública. Está em causa a prática de um conjunto de atos que no seu todo podem prolongar-se por um período de tempo alargado e, por vezes, desfasado das necessidades que motivam a expropriação.

Com esta nova lei, as expropriações que se enquadrem no âmbito do PEES passam todas a ser consideradas urgentes e de interesse público, significando isto que a posse administrativa à entidade pública é conferida logo no início do processo e portanto já não se faz depender a posse da pronúncia do expropriado. Deste modo, o processo é efetivamente mais rápido e a intervenção no imóvel pode iniciar-se mais cedo.

No entanto, mesmo continuando a haver lugar a indemnizações, é certo que os direitos de defesa dos proprietários ficam de alguma forma restringidos, mas não coartados, na medida que a oposição à expropriação ou ao montante indemnizatório proposto só tem lugar após a entrega do imóvel ao Estado.

Em termos muito sumários, a aprovação deste diploma vai efetivamente simplificar os processos de expropriação de terrenos ou com a constituição de uma servidão administrativa, sem que, porém, tenha sido simplificado o acesso a uma justa e rápida indemnização aos proprietários expropriados, uma vez que será dada primazia à declaração de utilidade pública, de seguida à posse administrativa e, só depois, por acordo com o proprietário ou por determinação do tribunal, será fixado o valor da indemnização.

No que concerne à determinação dos bens abrangidos por este regime, é certo que os mesmos não se encontram efetivamente identificados no diploma, mas tal poderá justificar-se pelo facto de cada intervenção prevista no PEES poder desdobrar-se em diversos projetos específicos, circunstância que não permite antecipar em detalhe os bens imóveis que serão afetados.

Na realidade, este cenário não difere muito de outros em que essa concretização é feita na Declaração de Utilidade Pública ou nos Despachos de Concretização dessa mesma DUP.

De qualquer forma, a lei define que "são consideradas de utilidade pública e com carácter de urgência (…) as expropriações dos imóveis e dos direitos inerentes necessários à construção, ampliação, reabilitação ou beneficiação de equipamentos, redes e infraestruturas no âmbito da execução dos investimentos a realizar", no quadro do PEES.

Em suma, não se pode afirmar de forma perentória que Governo tenha criado uma lei para fazer expropriações arbitrárias e mediante a sua conveniência, não deixando, porém, de ser de assinalar que a intervenção oportuna do Presidente da República permitiu garantir que o regime em causa seja restrito ao prazo de urgência do PEES e que a declaração de utilidade pública deverá, necessariamente, ser devidamente fundamentada, para salvaguarda dos direitos, liberdades e garantias dos cidadãos, algo que resultaria também de impositivos legais e constitucionais.

Em bom rigor, o que se verificou foi a criação de um regime especial que passa a considerar urgentes e de interesse público, e por isso mais simples e rápidas, apenas as expropriações associadas a projetos diretamente ligados ao PEES. Ainda assim, é verdade que as novas regras diminuem os direitos dos expropriados, uma vez que os proprietários são ouvidos apenas depois de a entidade pública tomar posse administrativa do bem imóvel em causa, o que habitualmente não acontece.

Tiago Corrêa do Amaral

Sócio contratado da Abreu Advogados

*Texto escrito com novo Acordo Ortográfico

PUB
TURISMO
Mais de 60 organizações de viagens e turismo pedem à UE plano para Verão
25 de fevereiro de 2021
ARRENDAMENTO
Proprietários receiam que incumprimento de rendas vá aumentar este ano
17 de fevereiro de 2021
PUB
PUB
INTERNACIONAL
FIFA world Cup Qatar 2022: construção de 7 estádios já levou à morte de mais de 6.500 trabalhadores migrantes
24 de fevereiro de 2021
PUB