CONSTRUÍMOS
NOTÍCIA
quarta-feira, 12 de agosto de 2020
Opinião
Miguel Subtil,  Managing Director  The K Advisors

Imobiliário: Valor, Energia & Sustentabilidade

27 de maio de 2019

O sector imobiliário mudou muito na última década, transformou-se radicalmente, adaptou-se a um mundo em constante mudança, modernizou-se, profissionalizou-se e superou uma crise profunda e demasiado longa. Este sector, tantas vezes mal-amado, (in)justamente responsabilizado por tantas derivas politico-estratégicas, megalomanias desajustadas e alicerçado em movimentos meramente especulativos, está hoje diferente. Está muito menos dependente do Estado, abriu-se ao mundo e adotou uma postura inovadora na vanguarda de uma sociedade em transformação.

Vive-se agora mais um momento de rutura, uma verdadeira revolução, quer se queira quer não. As alterações climáticas são uma realidade indesmentível e as medidas para as combater estão já em marcha em Portugal, na Europa e no Mundo. O Plano Nacional de Energia e Clima, recentemente apresentado, identifica a eficiência energética, associada também ao uso eficiente de recursos, como um dos objetivos estratégicos, transversal à economia e intrinsecamente ligado à sua competitividade. É dado um enfoque especial à eficiência energética na indústria de forma a elevar os padrões da indústria nacional e à promoção da eficiência energética nos edifícios, com incidência para a requalificação e renovação. Por outro lado, a necessidade de descarbonização tornou-se um imperativo, abrindo-se um enorme leque de exigências e oportunidades relacionadas com a alteração radical do paradigma energético. Quando se fala num setor maduro, com investimentos e projetos de médio e longo prazo, esta não é uma questão para as gerações futuras, esta é uma questão para os investimentos que estão a ser feitos hoje!

De facto, a relação Imobiliário, Energia e Sustentabilidade é muito relevante, sendo os edifícios responsáveis por 40% do consumo de energia e 36% das emissões de CO2 na UE. O setor estará uma vez mais no centro do furacão, sabendo, estou certo, dar uma resposta adequada aos desafios e transformando-os em oportunidades.

Numa sociedade cada vez mais urbana, a eletrificação da economia, com destaque para as novas soluções de mobilidade, a mudança de paradigma de produção de energia com a possibilidade de produção descentralizada em que cada consumidor possa também ser um potencial produtor e as imposições regulatórias associadas à eficiência energética, implicarão a inclusão da sustentabilidade na equação do investimento imobiliário. E aqui entra a questão de valor…

A tomada de decisão dos grandes investidores é motivada por análise de cash-flows e taxas de rentabilidade e serão esses os fatores, e não as noções de responsabilidade corporativa, que farão a diferença. Será uma questão de valor!

Os avaliadores observam e refletem as condições do mercado quando realizam as suas diligências, devendo refletir as tendências e riscos futuros na sua avaliação. É, de resto, já amplamente reconhecido, nomeadamente pelo RICS - Global Standards 2017, que a sustentabilidade e questões energéticas assumem importância crescente e que os avaliadores as deverão ter em devida consideração.

Estes novos fatores assumirão um papel de crescente importância para a aferição de valor e os imóveis menos eficientes, ou menos adaptados às exigências energéticas da sociedade, serão, certamente, penalizados.

Os players do setor farão o seu trabalho e cumprirão o seu papel - investidores, consultores, R&D, financiadores e construtores.

Agora numa economia como a nossa, tão dependente de Investimento Direto Estrangeiro, um setor que representou em 2018 mais de 3 mil milhões de euros de investimento, precisa, também associado a esta mudança de paradigma, de regras claras e estáveis. É aqui que precisamos do Estado: regulador, estável e transparente!     

Miguel Subtil

Managing Director

The K Advisors

*Texto escrito segundo o novo Acordo Ortográfico

PUB
TURISMO
Joya Del Casco: O botique Guesthouse que está a fazer sucesso em Sevilha e fala português
12 de agosto de 2020
PUB
ARRENDAMENTO
Rendas baixam em 25% dos imóveis que surgem para arrendamento
27 de julho de 2020
PUB
PUB
INTERNACIONAL
França estima impacto no turismo em cerca de 40.000 milhões de euros
10 de agosto de 2020
PUB