Centros Comerciais nos Planos de Contingência

21 de Agosto de 2018

Portugal tem sido nos últimos anos significativamente exposto a condições climáticas adversas. Nesta altura do ano, ocorrem com frequência temperaturas muito elevadas por períodos longos de tempo que podem causar efeitos graves na saúde das pessoas.     

Desde 2004, que a Direcção Geral de Saude (DGS) tem promovido a implementação de Planos de Contingência com o objetivo de minimizar os potenciais efeitos do calor intenso na saúde da população. Actualmente, o Plano de Contingência Saúde Sazonal (módulos verão e de inverno) reforça a necessidade de todos os serviços e estabelecimentos do Serviço Nacional de Saúde (SNS) implementarem Planos de Contingência de nível local e regional. O Módulo Verão é ativado em Portugal, entre 1 de maio e 30 de setembro e eventualmente, noutros períodos em função das condições atmosféricas.

Em Viseu, o Plano de Contingência por causa do calor, inclui os 2 Centros Comerciais do concelho, onde em caso de necessidade, poderão ficar abertos 24 horas por dia, o que demonstra a consciência social de quem administra estes espaços.

A Administração de um Centro Comercial deverá ter sempre um papel envolvente no seio da comunidade local, tendo de estar sempre muito próxima da protecção civil e das forças de segurança publica para em coordenação com ambas, poder prestar auxílio às populações caso haja necessidade.

Por norma, as grandes superfícies comerciais e em particular os Centros Comerciais são espaços fechados com um microclima perfeitamente controlado, isolado do meio ambiente externo e em que os seus visitantes podem circular em condições ideais de conforto e tranquilidade. São locais que podem ser facilmente procurados pelas pessoas para ultrapassarem as temperaturas mais extremas em diferentes épocas do ano, devendo estes espaços estar preparados para dar resposta às necessidades da população. Nesta altura, os chamados grupos vulneráveis (idosos, crianças, grávidas, pessoas com doenças crónicas), sentem uma maior necessidade de se protegerem do calor de modo a evitar efeitos negativos na sua saúde e aqui os Centros Comerciais poderão também fazer a diferença na diminuição da exposição ao risco destas pessoas.

No mall dos Centros Comerciais, as chamadas “zonas de descanso” como as seeting áreas, serão sempre um local a ser considerado para quem pretende refugiar-se das altas temperaturas do exterior. Os playgrounds por norma existentes, também poderão ser uma alternativa para entreter as crianças por troca com os jardins.

E quando chegar o Inverno?

Os problemas graves de saúde mais comuns associados ao frio, são o enregelamento e a hipotermia. Se no próximo Inverno, determinadas localidades em Portugal forem afectadas por vagas de frio, os Centros Comerciais em acções coordenadas com a Protecção Civil e a Direcção Geral de Saúde, deverão saber tomar medidas e adoptar procedimentos, caso sejam contactados para prestarem auxílio aos mais carenciados, nomeadamente os sem-abrigo.

Determinadas zonas dos Parques de Estacionamento subterrâneos dos Centros Comerciais, poderão ser sempre utilizadas para abrigar momentaneamente aqueles que por norma dormem durante a noite ao relento. Estes locais além de serem seguros, protegidos das intempéries, invariavelmente com balneários, acabarão sempre por criar um maior conforto para quem necessitar de abrigo. O Plano de Contingência de Saúde Sazonal – Módulo Inverno de determinadas localidades do interior do Pais, deveria reforçar uma articulação com os Centros Comerciais, dado que estamos a falar de regiões onde as temperaturas registam as maiores descidas nessa altura do ano.

Por cá, verificámos que algumas autarquias preparam determinados centros de acolhimento como antigos Hospitais, pavilhões municipais, estações de metro para ajudar os sem-abrigo a combater as temperaturas adversas, onde as equipas da Acção Social acabam por ter um papel bastante importante na distribuição de cobertores e comida quente. Lá fora, um Centro Comercial em Istambul, abriu as portas para apenas abrigar os cães de rua do frio, permitindo que os animais pudessem ali pernoitar protegidos com mantas, água e ração, enquanto um forte nevão paralisava toda a cidade. Sinais dos tempos!

Bernardo Cabral Meneses

Director Centro Comercial Évora Plaza

* Artigo escrito com novo acordo ortográfico