CONSTRUÍMOS
NOTÍCIA
domingo, 15 de dezembro de 2019
Habitação by century 21

Preços de venda e real valor das casas estão desajustados

15 de fevereiro de 2019

Os preços das casas subiram significativamente no último ano, sobretudo na cidade de Lisboa, assim como no Porto. Uma situação que tem levantado algumas preocupações, nomeadamente da Comissão Europeia nas suas previsões de inverno, onde lançou o alerta que os preços das casas em Portugal devem registar maior moderação, a reflectir a recuperação gradual na oferta, juntamente com o abrandamento da procura externa.

Na opinião de Paulo Barros Trindade, Presidente da ASAVAL  - Associação Profissional das Sociedades de Avaliação, os conceitos de preço e valor são bastante diferentes. Um proprietário pode entender colocar o seu imóvel no mercado por um determinado preço, mas se não estiver suficientemente informado sobre o mercado específico do seu imóvel ou se não tiver solicitado uma avaliação a um Perito Avaliador devidamente habilitado para o efeito, poderá existir um desfasamento grande entre o preço solicitado e o Valor de Mercado do Imóvel. O responsável admite ainda que “o preço pode estar influenciado por factores particulares como uma ligação sentimental ao imóvel ou uma necessidade de obter determinada quantia com a venda do imóvel, factores que não deverão influenciar o Valor de Mercado do imóvel, mas que podem contribuir fortemente para o desfasamento entre o preço (o chamado “asking price”) e o Valor de Mercado do Imóvel, em mercado aberto e concorrencial”.

Paulo Trindade revela que uma correcta avaliação do bem imóvel que se pretende adquirir é um dado fundamental para ajudar a tomar a decisão na compra de uma casa. Para isso é decisiva a intervenção de um Perito Avaliador devidamente Qualificado, se possível com um nível de acreditação internacional (TEGoVA) ou integrado numa Sociedade de Avaliação com acesso a esse tipo de acreditação e com as competências internas adequadas, tais como são os Associados da ASAVAL.

Avaliação deve ser realizada por um perito independente

“As famílias devem assegurar-se que qualquer Avaliação, quer seja destinada a um Banco, Proprietário ou Comprador, sejam sempre realizadas por um Perito Avaliador que tenha competência profissional adequada e, muito relevante, que não exista qualquer conflito de interesses nesse trabalho de avaliação”, assegura o responsável.

Na opinião do especialista, para uma Família, a decisão de investir na aquisição de um imóvel para habitação própria, uma correcta avaliação do bem imóvel que se pretende adquirir é um dado fundamental para ajudar a tomar tal decisão e para garantir que essa transacção ocorre a um preço dentro dos valores de mercado. “Por comparação do custo de uma avaliação com o custo da comissão de intermediação da venda, não é justificável que o potencial Comprador não acautele o seu investimento com a contratação de uma perícia independente que salvaguarde aqueles aspectos”.

O presidente da ASAVAL acrescenta ainda que “assim como temos o nosso médico e o nosso advogado quando deles necessitamos, em investimentos imobiliários também devemos recorrer a especialistas, neste caso, aos Peritos Avaliadores de imóveis devidamente qualificados”. E refere que o Perito Avaliador, ao efectuar de forma correcta a sua tarefa, está a fornecer ao Comprador um contributo essencial no sentido de ser aferido correctamente o “Valor de Mercado” do imóvel em causa. “A sua isenção e neutralidade de interesses face a todos os outros intervenientes da transacção conferem-lhe um papel decisivo nesta operação. O Perito Avaliador é pois um actor ‘chave’ na concretização desta decisão central na vida financeira das Famílias que é a aquisição de um imóvel para Habitação Própria”, explica.

Paulo Barros Trindade, admite que Portugal é neste momento um destino importante, quer para turismo, quer para investimento imobiliário, acreditando que este cenário se manterá nos próximos anos. Em Portugal evoluiu-se muito na qualidade do imobiliário produzido, o que se torna evidente no aumento substancial da procura por parte de estrangeiros.” Obviamente que outros factores são muito importantes para manter a procura de imobiliário em Portugal, como é o caso da segurança. Parece-nos que o mercado imobiliário continuará a ser um mercado relativamente seguro para investimento em Portugal”, conclui.

*Texto publicado na edição em papel  do Diário Imobiliário no Jornal Económico. Escrito com o novo Acordo Ortográfico

PUB
ARRENDAMENTO
Já é possível concorrer a uma Casa de Renda Acessível em Lisboa
12 de dezembro de 2019
PUB
PUB
PUB