CONSTRUÍMOS
NOTÍCIA
sexta-feira, 14 de agosto de 2020
Entrevistas
No DNA da Merlin Properties está a identidade ibérica, além da portuguesa e da espanhola

No DNA da Merlin Properties está a identidade ibérica, além da portuguesa e da espanhola

18 de junho de 2020

Ismael Clemente, vice-presidente e CEO da Merlin, a maior empresa imobiliária de Espanha, admite que a intenção é continuar a aumentar a sua exposição ao mercado imobiliário português, através de investimentos selectivos. 

Em entrevista ao Diário Imobiliário, o responsável da gigante espanhola, reconhece as potencialidades do mercado português e que a confiança é o activo que conta quando os investidores (muitos com obrigações fiduciárias) investem num país.

De recordar que a Merlin é a maior empresa imobiliária cotada em Espanha actualmente. Em Portugal detém uma carteira de activos de cerca de mil milhões de euros, que inclui vários edifícios de escritórios, a plataforma logística de Lisboa Norte e dois espaços comerciais, o Almada Fórum e o Monumental. Em Janeiro estreou-se na praça lisboeta por ‘dual listing’, uma operação em que as mesmas acções que negoceiam em Espanha passam também a negociar na Euronext Lisbon.

Que oportunidades o mercado imobiliário português apresenta para o investimento estrangeiro?

O mercado imobiliário português continua atractivo para o investimento estrangeiro. Primeiro, porque o seu preço relativo é mais barato em comparação com outros mercados europeus, ou seja, existe um yield de arbitragem natural. Segundo, e talvez o mais importante, é a força dos fundamentos do mercado, como a forte procura ou falta de oferta que convidam ao optimismo. Esses fundamentos são mais evidentes nos sectores de escritório ou logística e não tanto em outros que já estão num estágio evolutivo mais maduro (retalho).

Quais as maiores dificuldades encontradas neste mercado?

É um mercado que conhecemos muito bem, já que investimos aqui desde 1998. Ao nos sentirmos tão à vontade aqui, vemo-nos como um actor local, o que nos diferencia dos concorrentes internacionais. No DNA da Merlin Properties está a identidade ibérica, além da portuguesa e da espanhola.

Vai continuar a investir em Portugal?

Sim, a intenção da empresa é continuar a aumentar a sua exposição ao mercado imobiliário português, através de investimentos selectivos nos activos que consideramos que contribuem para a carteira de imóveis actual como um todo. Temos activos de muito boa qualidade e queremos manter essa mesma linha.

Acredita que a imagem positiva que Portugal tem passado no exterior durante a pandemia vai trazer mais investimento estrangeiro?

Portugal soube, até agora e de forma exemplar, enfrentar a tempestade sanitária criada pelo coronavírus. Fê-lo dando um exemplo de unidade democrática e com sensatez na tomada de decisões. Acredito que, com esses bons exemplos, a comunidade internacional valorize positivamente e construa confiança. E a confiança é o activo que conta quando os investidores (muitos com obrigações fiduciárias) investem num país.

Que semelhanças e diferenças encontra entre o mercado português e os restantes onde opera?

A nível dos proprietários, o mercado português é mais atomizado que o espanhol, com excepção do sector dos centros comerciais, onde Portugal cresceu pela mão de players com alguma dimensão, como a Sonae, Multi ou Mundicenter.

Então, no mercado ocupacional, embora os operadores sejam semelhantes, é um mercado em que o take-up médio é menor do que em Espanha. Mas, geralmente, não acho que haja grandes diferenças entre esses mercados.

Como vê o futuro do mercado imobiliário português e a nível internacional? 

As perspectivas devem permanecer positivas no mercado português, pelas razões que expliquei na minha primeira resposta. Além disso, com a crise actual, pode haver um ajuste "natural" dos hábitos dos clientes (sejam eles individuais, sejam empresas) que, dependendo de sua duração e profundidade, podem afectar estruturalmente a procura. Isso significa que os proprietários terão que se adaptar, em maior ou menor grau, a todas essas tendências.

PUB
TURISMO
Turismo interno limita quebra de hóspedes a 82% e de dormidas a 85,2% em Junho
14 de agosto de 2020
PUB
ARRENDAMENTO
Câmara de Lisboa abre 2º concurso de Renda Acessível com 30 novas casas
13 de agosto de 2020
PUB
PUB
INTERNACIONAL
França estima impacto no turismo em cerca de 40.000 milhões de euros
10 de agosto de 2020
PUB