CONSTRUÍMOS
NOTÍCIA
quinta-feira, 15 de abril de 2021
Entrevistas
Investidores internacionais vão continuar a dizer presente a Portugal

Investidores internacionais vão continuar a dizer presente a Portugal

18 de janeiro de 2021

Pedro Lancastre, director geral da JLL, admite que há muita liquidez, especialmente num cenário de baixas taxas de juro, e os investidores internacionais vão continuar a investir em Portugal e que o país sai bem posicionado da pandemia, é uma questão de tempo até que o mercado retome o seu normal pré-pandémico e 2021 deverá ser outro bom ano para o sector imobiliário nacional.

Garante mesmo que o país mantém os seus atractivos intactos.

O que se pode esperar para o mercado imobiliário em 2021?

A vacina passou de miragem a realidade e isso veio trazer maior confiança ao mercado na entrada no novo ano. Muitos investidores estão de volta ao activo e à procura de boas oportunidades. Há muita liquidez, especialmente num cenário de baixas taxas de juro, e os investidores internacionais vão continuar a dizer presente a Portugal. O país sai bem posicionado da pandemia face a outros congéneres europeus e mantém os seus atractivos intactos, além de termos oportunidades muito interessantes em sectores que noutros países já estão aquecidos, mas que aqui estão a dar os primeiros passos.

Em termos de segmentos, além da habitação onde há uma diversificação enorme de usos e destinatários, destaco ainda o arrendamento, que se vai tornar cada vez mais alvo de investimento institucional. Os escritórios e o retalho estão num momento de grande transformação e vão ter de se reinventar. Vão ter que ser mais do que espaços de conveniência e participarem activamente na oferta de uma experiência aos seus utilizadores. Em suma, é uma questão de tempo até que o mercado retome o seu normal pré-pandémico e 2021 deverá ser outro bom ano para o sector imobiliário nacional.

 Quais os desafios que se vão colocar ao sector este ano?

Dito isto, este “normal pré-pandémico” traz consigo os desafios estruturais que já existiam e que acabaram por ser pouco abordados devido à pandemia. Um dos mais urgentes é resolver os atrasos nos processos de licenciamento, que são um obstáculo grande para a dinâmica de lançamento de nova oferta. Por outro lado, temos que ter uma estratégia para os Vistos Gold, que podem ser um forte incentivo para a retoma económica do país. Manter as actuais alterações a este regime é uma ameaça para o sector imobiliário e para a Economia. Este novo enquadramento não vai canalizar investimento para o interior do país, porque os investidores vão continuar a querer investir nas grandes cidades. Ou seja, ao invés de haver uma realocação do investimento noutras geografias, vai haver, sim, perda de investimento directo nas principais cidades, com a respectiva perda de receita para o Estado em taxas e impostos.

Que medidas devem ser tomadas em 2021?

É necessário que o Estado, quer a nível das autarquias quer a nível Central, intervenha nestas duas questões, pois podem ser entraves fortes ao investimento no sector imobiliário, com perdas muito importantes para a recuperação económico pós-pandemia. Temos que dar condições de estabilidade e atractividade para que o capital estrangeiro continue a vir para o nosso imobiliário, por um lado, e para que os operadores já presentes no mercado continuem a investir em novos projectos, por outro. Isso são condições essenciais para a retoma pós-pandemia.

http://www.diarioimobiliario.pt/Actualidade/2021-O-ano-da-prova-de-fogo-para-o-imobiliario

PUB
TURISMO
Portugal oferece aos investidores do sector hoteleiro oportunidades pós-Covid — diz a “HospitalityInsights”
14 de abril de 2021
ARRENDAMENTO
Nova fase de consultas públicas do programa “Matosinhos: Casa Acessível”
13 de abril de 2021
PUB
PUB
INTERNACIONAL
Casa Judy Garland - Minnelli à venda na Praia de Malibu
9 de abril de 2021
PUB