CONSTRUÍMOS
NOTÍCIA
domingo, 28 de fevereiro de 2021
Entrevistas
Construção e Imobiliário podem ser o motor da retoma económica

Construção e Imobiliário podem ser o motor da retoma económica

10 de setembro de 2020

Reis Campos, presidente da CPCI - Confederação Portuguesa da Construção e Imobiliário avança que o papel da Construção e Imobiliário na reactivação da economia é reconhecido e é a própria Europa que aponta este sector como uma aposta decisiva para a reactivação da economia e do emprego.

O responsável assegura ao Diário Imobiliário que o sector tem demonstrado uma elevada resiliência e as dificuldades operacionais e a redução da produtividade são um desafio, no entanto é necessário apoiar o tecido empresarial e o fluxo financeiro da carga fiscal e contributiva também tem de se ajustar a esta nova realidade.

Num ano atípico o que podemos esperar do mercado imobiliário na Rentrée?

Existe um elevado grau de incerteza, até porque ainda se desconhece como é que vai evoluir a crise sanitária ao longo dos próximos meses e em que medida é que essa evolução vai impactar a economia. Porém, apesar deste contexto de extraordinária complexidade, a generalidade dos indicadores mais recentes revela que, o mercado imobiliário português tem apresentado um comportamento caracterizado por uma elevada resiliência.

Nos dados revelados muito recentemente pelo INE, relativos às Contas Nacionais Trimestrais, registaram-se quebras históricas do PIB, no 2º trimestre do ano mas, o Investimento em Construção surpreendeu pela positiva, ao registar um crescimento de 7,5% em termos homólogos e de 3,1% quando comparado com o trimestre anterior. São números que demonstram o importante contributo para a retoma da actividade que o sector está a apresentar e que é particularmente relevante no momento crítico que estamos a atravessar. Desta forma, o que podemos esperar é que, nesta rentrée, a Construção e Imobiliário se possa destacar enquanto motor da retoma económica.

Quais os desafios que o sector tem pela frente?

O papel da Construção e Imobiliário na reactivação da economia é amplamente reconhecido e é a própria Europa que aponta este sector como uma aposta decisiva para a reactivação da economia e do emprego, pelo que Portugal não pode ficar à margem desta estratégia e deve criar condições para que esta evolução positiva possa perdurar ao longo dos próximos meses. É certo que as dificuldades operacionais e a redução da produtividade são um desafio, pelo que é necessário apoiar o tecido empresarial e, como temos afirmado, o fluxo financeiro da carga fiscal e contributiva também tem de se ajustar a esta nova realidade, para que seja possível manter uma trajectória pelo que se devem implementar medidas como a criação de novas moratórias fiscais e contributivas ou a disponibilização de linhas de crédito com condições vantajosas.

Em termos de áreas com maior capacidade de impulsionar o sector, a par do reforço do investimento público em projectos essenciais, tirando partido dos actuais fundos comunitários do Portugal 2020 e dos novos instrumentos europeus que se perspectivam, garantindo que as empresas portuguesas se conseguem posicionar competitivamente, é também necessário ser capaz de responder de forma eficiente ao investimento privado e, sobretudo manter um posicionamento internacional favorável.

Agilizar os procedimentos administrativos do licenciamento, para dar uma resposta rápida a todos os projectos que reúnem condições para avançar, garantir um enquadramento legislativo estável e uma fiscalidade competitiva é o mínimo que podemos fazer nesta altura, para assegurar a concretização de todos os investimentos viáveis. Iniciativas como o Programa de Vistos Gold ou o Regime de Tributação de Residentes Não Habituais têm de ser atractivos à escala europeia, sobretudo quando outros países, como, muito recentemente, a Grécia, se estão a posicionar neste domínio. Mas também é preciso olhar para outras questões como a fiscalidade do imobiliário, já que a manutenção de aspectos gravosos como o AIMI ou a tributação de stocks de imóveis detidos para venda por parte das empresas do sector, é excessivamente penalizador para o sector.

Quais as previsões para o mercado até ao final do ano?

Globalmente, a última revisão da estimativa para a evolução da produção do sector apontou para que o ano de 2020 encerrasse com uma variação entre -4.5% no cenário mais adverso e um crescimento de +0,6% no cenário mais favorável, após se ter verificado um crescimento de 6% em 2019. Trata-se de previsões macroeconómicas que estão associados níveis muito elevados de incerteza porque, para além de todas as variáveis relativas ao andamento da economia, há ainda que levar em consideração a evolução do surto pandémico ao longo dos próximos meses e cujo comportamento, neste momento, se afigura impossível de prever. Neste contexto e em concreto no que diz respeito à expectativa para o comportamento do mercado imobiliário até ao final do ano, esperamos que esta resiliência que tem vindo a ser demonstrada por parte dos investidores, permita manter uma trajetória de recuperação global dos níveis de actividade. No entanto, é preciso ter presente que estamos a enfrentar uma crise global e, apesar de, como referi, o mercado nacional continuar a apresentar um posicionamento internacional favorável, a sua evolução não deixará de ser fortemente influenciada pelos desenvolvimentos à escala europeia e mundial.

PUB
TURISMO
Proença-a-Nova reabilita Praia Fluvial da Aldeia Ruiva
26 de fevereiro de 2021
ARRENDAMENTO
Aprovada proposta que permite ao fisco ceder dados para validação do Apoiar Rendas
26 de fevereiro de 2021
PUB
PUB
INTERNACIONAL
FIFA world Cup Qatar 2022: construção de 7 estádios já levou à morte de mais de 6.500 trabalhadores migrantes
24 de fevereiro de 2021
PUB