CONSTRUÍMOS
NOTÍCIA
sábado, 16 de novembro de 2019
Arquitectura

Lisboa vai ter um Mapa de Arquitectura de 1948 até 2019

2 de maio de 2019

Depois de ter lançado o Guia de Arquitectura de Lisboa 1948-2013, há cinco anos, a editora A+A Books vai lançar agora o Mapa de Arquitectura de Lisboa 1948 - 2019, para acompanhar as alterações que surgiram na cidade até à actualidade.

De acordo com a editora, o Guia de Arquitetura de Lisboa 1948-2013 veio responder a uma carência para quem visitava a cidade e se interessava por Arquitectura Moderna e Contemporânea, pois o último guia com este objectivo já tinha saído do prelo há oito anos e um mapa de Arquitectura tinha dez anos, estando ambos esgotados e desactualizados.

A A+A Books explica que desde 2013 decorreram tempos de visíveis alterações na cidade (concelho), na medida em que os efeitos da crise económica de 2008 foram diminuindo e o desenvolvimento do turismo tem sido evidente, acompanhado pela vinda de novos residentes de fora do país com alto poder de compra e que procuram morar nas zonas mais centrais ou mais cénicas. Por parte dos poderes públicos e privados o crescimento de equipamentos culturais ou intervenções nos espaços colectivos exteriores têm marcado a cidade, não esquecendo os processos de reabilitação na grande mancha histórica que Lisboa possui porque foi, ao longo de séculos, uma das cidades mais populosas do continente europeu.

"Vale a pena lembrar a razão pela qual se escolheu a data de 1948 como início temporal de um Mapa de arquitectura moderna e contemporânea. É precisamente o ano da realização do 1º Congresso Nacional dos Arquitectos em Lisboa, que reuniu muitos dos membros de uma classe profissional em lenta ascensão social e sobretudo os mais jovens que vieram afirmar os princípios do Movimento Moderno, tornando o congresso numa manifestação com características de vanguarda, mas também crítico perante as políticas urbanísticas, de habitação e culturais do regime ditatorial do Estado Novo. Este mesmo ano foi também o de conclusão do Plano Director de Lisboa, coordenado pelo arquitecto-urbanista Étienne de Gröer (1882-19?), que tinha sido convidado para tal, em 1938, pelo então Ministro das Obras Públicas e Presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Duarte Pacheco (1900-1943). O Plano Director de Lisboa de 1938 incorporou a consciência desta metropolização e serviu de matriz para o crescimento planeado da cidade nas décadas seguintes, favorecido pela expropriação de cerca de um terço do concelho de Lisboa, sobretudo de terrenos pouco ocupados, pelo mesmo Duarte Pacheco. Tal possibilitou o planeamento e construção de um conjunto de bairros de iniciativa municipal que marcam a história da Arquitetura e Urbanismo em Portugal: Alvalade, Olivais Norte, Olivais Sul, Chelas e Telheiras, numa sequência temporal que mostra a evolução das formas da cidade e da habitação entre meados do século XX e as suas últimas décadas", explica em comunicado a editora.

 Deste modo, no pressuposto que a cidade física é constituída por obras de arquitectura (que incluem espaços construídos interiores e exteriores, públicos ou privados) suportadas pelas redes de infraestruturas, acolhendo uma população que nela vive, trabalha e se diverte/cultiva em tempos e situações diversas, um conjunto de exemplos concretos são assim localizados e referenciados no mapa segundo critérios de qualidade que passam pela tríade vitruviana (solidez, adequação e beleza), inserção e proposta urbana e inovação crítica, na apreensão da obra de Arquitectura como fenómeno complexo e reconhecível (…).

O lançamento do Mapa acontece no dia 10 de Maio, às 18h30, no Salão Nobre dos Paços do Concelho, Câmara Municipal de Lisboa.

PUB
ARRENDAMENTO
Englobamento obrigatório para rendimentos prediais terá “efeito perverso” no mercado – diz APEMIP
14 de novembro de 2019
PUB
PUB
PUB