FOTOGRAFIA com ARTE: Palácio do Correio-Mor

12 de Novembro de 2018

A importância do Correio-Mor e os avultados lucros que advinham desta actividade, desenvolvida durante cerca de 200 anos pela família Gomes da Mata, encontram-se bem expressos no seu Palácio, edificado em Loures no decorrer do século XVIII.

A planta em U permite um desenvolvimento mais cenográfico dos volumes (ao gosto barroco), caracterizando parte da arquitectura civil de Setecentos. Dividido em três pisos, o palácio exibe uma série de vãos, cujo ritmo continuo e simétrico, converge, na zona central, de maior imponência. Mais elevada, abre-se, no piso térreo, em dois arcos para deixar passar as carruagens. No interior, para além da fonte cujo anjo tem vindo a ser atribuído a Laprade, ganha especial interesse o vasto conjunto de painéis de azulejo.

Com a passagem do Correio para a Coroa, a família Gomes da Mata foi recompensada tornando-se condes de Penafiel. Desabitado durante algum tempo, o palácio conheceu grande degradação, tendo acolhido uma espécie de hospital aquando das guerras liberais. Com o regresso do então proprietário, que havia sido o último correio-mor, foram efectuadas algumas obras, mas a geração seguinte acabou por ser obrigada a vender a Quinta devido a problemas financeiros. Pertence à sociedade da Casa Agrícola da Quinta da Mata, desde 1966.

Texto e fotografias: Jorge Maio