FOTOGRAFIA com ARTE: Mosteiro de Odivelas

20 de Novembro de 2017

A motivação de D. Dinis em fundar um mosteiro cisterciense neste local encontra eco numa lenda que narra o ataque de um urso, quando o monarca passeava sozinho junto à ribeira de Odiana, perto de Beja. Em acção de graças por ter sobrevivido, terá prometido construir uma capela no Convento de São Francisco, em Beja e, depois, a própria edificação de um mosteiro cisterciense, no seu paço de Odivelas.

Ao longo dos séculos, foram muitas as alterações verificadas no conjunto monacal. Logo no século XV (1424), a rainha D. Filipa de Lencastre instituiu uma capela, anexa ao absidíolo Sul e associada ao portal lateral da igreja. Mais importantes foram as obras quinhentistas, século a que corresponde o Claustro da Moura e diversas obras na parte monacal. Um pouco por todo o mosteiro, encontram-se elementos manuelinos, materiais que provam uma dinâmica construtiva alargada durante a primeira metade do século XVI.

As obras continuaram pelos tempos seguintes, em particular pelos séculos XVII e XVIII. A última grande campanha ocorreu após o terramoto de 1755, altura em que o corpo da igreja abateu e numerosas dependências monacais ficaram afectadas. A reconstrução da igreja privilegiou um espaço amplo, sem divisórias, com arcos extremos de volta perfeita e abatidos, que suportam uma abóbada de lunetas.

Transformado em Instituto de Odivelas, a igreja é a parte melhor conservada e contém dois túmulos góticos, do século XIV, um dos quais do rei D. Dinis, com jacente e faciais decorados com edículas trilobadas onde se integram religiosos, obra cimeira da nossa arte tumular medieval, apesar de bastante desfigurada pelo terramoto e pelas invasões napoleónicas.

Texto e fotografias: Jorge Maio