Espaços de excelência em Lisboa abrem portas em Setembro

16 de Abril de 2018

Serão 70 os espaços anfitriões de visitas, passeios e conversas com autores de projectos, urbanistas, historiadores, que vão ajudar a perceber a cidade e seus diferentes momentos de transformação através da Arquitectura.

Trata-se do 7º Open House Lisboa, que decorre nos dias 22 e 23 de Setembro deste ano, organizado pela Trienal de Arquitectura de Lisboa e a EGEAC, tem o objectivo de continuar a afirmar o seu compromisso enquanto bilhete gratuito para a (re)descoberta da capital.

Nesta edição, os comissários convidados são o arquitecto, crítico e professor Luís Santiago Baptista, e a arquitecta, professora e curadora Maria Rita Pais. São eles os responsáveis pelo desenho de um renovado roteiro revelador de um novo olhar sobre a cidade. Nas suas palavras, "motiva-nos a possibilidade de compreender Lisboa a uma escala urbana alargada, através de projectos, obras e intervenções específicas, propondo uma leitura integrada das transformações recentes da cidade, nas suas diversas áreas e eixos estruturantes. E, finalmente, nesse mapeamento, evidenciar o papel crucial dos arquitectos na construção do passado, presente e futuro de Lisboa".

De acordo com José Mateus, presidente da Trienal de Arquitectura de Lisboa, "uma mesma realidade pode mudar profundamente e reforçar o seu fascínio quando observada de diferentes ângulos. No caso de Lisboa, se por um lado existem muitos lugares, espaços ou edifícios que nunca imaginámos que existissem, por outro lado, aquilo que parece ser óbvio e que julgamos já conhecer pode revelar-se em dimensões inesperadas. O perfil e experiência dos comissários do Open House Lisboa 2018, Luís Santiago Baptista e Maria Rita Pais, promete isso mesmo: um olhar plural, analítico e revelador, nesse processo de descoberta, seja através daquilo que julgávamos conhecer, ou em direcção àquilo com que nunca nos cruzámos".

Também Joana Gomes Cardoso, presidente da EGEAC, adianta que "esta parceria, que se tem alargado e renovado a cada edição, potencia o conhecimento dos espaços públicos e privados da cidade através de um olhar especializado mas acessível a todas as pessoas. É com esse espirito de inclusão e promoção do património – contemporâneo e antigo – que temos pensado conjuntamente cada edição”.