Balkrishna Doshi arquitecto e pedagogo indiano é o Pritzker 2018

07 de Março de 2018

Nasceu em 1927 e com 20 anos de idade, o galardoado Prémio Pritzker 2018 – considerado a nível mundial o Nobel da Arquitectura – começou a estudar arquitectura, curiosamente no mesmo ano em que o seu país ascendeu à independência do império britânico. O arquitecto e pedagogo indiano tem hoje 90.

Ainda muito jovem trabalhou e conviveu com dois dos grandes modernistas do século 20: Le Corbusier e Louis Kahn.

No percurso de um longo trajecto profissional, o arquitecto indiano construiu mais de uma centena de edifícios erigidos com base em materiais locais e que têm em conta e respeitam as mudanças sociais e o meio ambiente.

Na comunicação em que anuncia o novo galardoado, o júri do Prémio Pritzker – constituído por nomes de grande prestígio (Glenn Murcutt, Stephen Breyer, André Aranha Corrêa do Lago, The Lord Palumbo, Richard Rogers, Sejima Kazuyo, Benedetta Tagliabue, Ratan N. Tata, Wang Shu e Martha Thorne) – refere:

“O arquitecto indiano Balkrishna Doshi tem continuamente apresentado na sua obra os objectivos do Prémio Pritzker de Arquitetura ao mais alto grau. Tem praticado a arte da arquitectura, mostrando contribuições substanciais para a humanidade, há mais de 60 anos. Ao conceder-lhe a medalha deste ano, o júri do Prêmio Pritzker reconhece sua arquitectura excepcional, reflectida em mais de uma centena de edifícios que realizou, o seu compromisso e a sua dedicação ao país e às comunidades que serviu, a sua influência como professor e o excelente exemplo que estabeleceu para profissionais e estudantes de todo o mundo ao longo de sua longa carreira”. (…)

Balkrishna Doshi é o primeiro arquitecto do seu país a receber a maior distinção mundial da Arquitectura. Recorde-se que nesse restricto «quadro de honra» figuram dois portugueses: Álvaro Siza Vieira (1992) e Eduardo Souto de Moura (2011).