CONSTRUÍMOS
NOTÍCIA
sexta-feira, 26 de fevereiro de 2021
Sustentabilidade
Central de Sines encerra hoje

Central de Sines encerra hoje

15 de janeiro de 2021

A EDP encerra hoje a central termoeléctrica de Sines, em Setúbal, um fecho antecipado devido à deterioração das condições de mercado, iniciando-se a desactivação dos equipamentos e posterior desmantelamento da infraestrutura com 35 anos.

Com uma potência instalada de 1.256 MW, a central a carvão de Sines chegou a abastecer um terço da eletricidade consumida em Portugal, no início dos anos 90, e foi perdendo peso com o crescimento das energias renováveis, tendo assegurado apenas 4% do consumo eléctrico em 2020, segundo dados da REN.

A central tem 107 trabalhadores directos, com os quais está a ser negociado "um conjunto de diferentes opções", desde a passagem a reforma ou pré-reforma ou o acesso a oportunidades de mobilidade dentro do grupo, segundo fonte oficial da EDP.

Em relação aos cerca de 400 trabalhadores indirectos, a energética remete esclarecimentos para as "empresas prestadoras de serviços com a quais têm contratos".

O último dia de produção de electricidade na central de Sines, em Setúbal, foi na quinta-feira, iniciando-se agora desactivação dos equipamentos, um processo que deverá levar cerca de cinco anos, continuando em aberto o futuro daquela infraestrutura. A central começou a operar em 1985.

Com o fecho de Sines, Portugal tem apenas uma central a carvão operacional, a do Pego, que deverá encerrar até Novembro.

Na quinta-feira, a associação ambientalista Zero considerou que o encerramento da central termoelétrica de Sines vai trazer a “redução mais significativa de emissões” de gases com efeito de estufa que já se viu em Portugal.

Lusa/DI

PUB
TURISMO
Mais de 60 organizações de viagens e turismo pedem à UE plano para Verão
25 de fevereiro de 2021
ARRENDAMENTO
Proprietários receiam que incumprimento de rendas vá aumentar este ano
17 de fevereiro de 2021
PUB
PUB
INTERNACIONAL
FIFA world Cup Qatar 2022: construção de 7 estádios já levou à morte de mais de 6.500 trabalhadores migrantes
24 de fevereiro de 2021
PUB