CONSTRUÍMOS
NOTÍCIA
segunda-feira, 18 de novembro de 2019
Actualidade
Lusopark em Santa Maria da Feira

Lusopark: 54% da área dos lotes industriais já colocados

21 de dezembro de 2016

A Orange Park, especialista na promoção e gestão de parques empresariais - empresa que faz parte do grupo Ferreira SGPS -, já colocou 54% da área total do Lusopark, parque industrial localizado junto ao Europarque, em Santa Maria da Feira, e que apresenta preços médios de comercialização de 45 euros o metro quadrado (m2).

O projecto, que representa um investimento de 10 milhões de euros, desenvolve-se numa área de intervenção total de 420.000 m2, disponibilizando 381.440 m2 de área de lotes para implantação de empresas industriais e de serviços. Neste momento a Lusopark já tem assinados acordos com algumas empresas conceituadas, como é o caso da Amy’s Kitchen, empresa americana do ramo alimentar, Tintas Neuce, de produção de tintas, Centrauto, comercialização de peças para automóveis, Original Portus, mobiliário e equipamentos de cozinha, e a A/C, concepção e produção de fechaduras de alta tecnologia. Verifica-se, por isso, que a procura é feita por parte de empresas do sector industrial de áreas diversificadas.

De acordo com Rui d’ Ávila, administrador do grupo Ferreira, “a comercialização já se iniciou, mas a divulgação formal só iniciamos agora. Assim, contamos ter os lotes todos vendidos durante o ano 2017”.

Vítor Cabral, gestor do projecto Lusopark, destaca o facto de que, neste momento, “existem lotes de dimensões pequenas (1700 a 2500 m2), dimensão média (4.000 a 8.000 m2) e dimensões grandes (20.000 m2 a 75.000 m2)”.

Acrescenta, que “as infraestruturas do Lusopark estão em execução prevendo-se a conclusão da primeira fase no final de Janeiro 2017 e a segunda fase em Abril 2017”.

Na opinião de Rui d’ Ávila, a estratégia é a de “privilegiar empresas do sector industrial não poluentes”. Verifica-se, por isso, “que a procura assenta em empresas industriais que necessitam de bons acessos às autoestradas e de proximidade ao Porto”.

 

Excelentes acessibilidades

Os responsáveis do grupo Ferreira destacam as acessibilidades de que está dotado o Lusopark. “O local dispõe de acessibilidades excelentes aos nós da autoestrada A1 (distância de 2,5 km), da autoestrada A29 (distância de 6 km), a distância de 25 km do aeroporto Sá Carneiro e ao Porto de Leixões e de 50 km do Porto de Aveiro. Apresenta, por isso, um fácil acesso à autoestrada A25, que liga o Porto de Aveiro à fronteira de Vilar Formoso”, destaca Vítor Cabral.

Assim, em termos de infraestruturas, o parque industrial vai ficar dotado “do que de melhor é possível oferecer em termos de rede de gás, abastecimento de água, rede de drenagem de águas residuais, rede de telecomunicações e fibra ótica”, acrescenta.

Rui d’ Ávila destaca os serviços que a Orange Park disponibiliza às empresas na concepção e construção das unidades industriais, caso o cliente pretenda uma solução integrada tipo ‘chave na mão’ . “A Ferreira Construção tem já estudadas soluções de projecto e construtivas para cada uma das unidades a construir em cada lote”, refere.

Promove também o interface com uma empresa parceira, na área da consultadoria, para apresentação de candidaturas a programas comunitários de apoio ao investimento, como é o caso do programa Portugal 2020.

 

Uma autarquia activa

A Orange Park presta ainda apoio às empresas que se queiram instalar no Lusopark, nos contactos com os serviços da Câmara Municipal da Feira e outras entidades oficiais, para facilitar os processos de licenciamento das obras das unidades industriais.

Na opinião dos responsáveis do grupo Ferreira a autarquia de Santa Maria da Feira tem tido um papel fundamental, pois tem feito um esforço significativo de divulgação junto dos agentes económicos locais e tem dado todo o apoio nos contactos com as entidades oficiais externas à câmara municipal. “Sem o apoio da autarquia, desde o início, não teria sido possível em tão pouco tempo ter conseguido os clientes que já conseguimos e a rapidez de aprovação dos projectos que submetemos”, conclui Rui d’ Ávila.

PUB
ARRENDAMENTO
Englobamento obrigatório para rendimentos prediais terá “efeito perverso” no mercado – diz APEMIP
14 de novembro de 2019
PUB
PUB
PUB