CONSTRUÍMOS
NOTÍCIA
terça-feira, 7 de abril de 2020
Actualidade

Lisboa saltou do 10º para 1º para investir em imobiliário na Europa

8 de novembro de 2018

O relatório anual, publicado em conjunto pelo Urban Land Institute (ULI) e pela PwC, revela que a cidade de Lisboa saltou do 10º para o 1º lugar de destino de investimento imobiliário em 2019 na Europa.

De acordo com o Emerging Trends in Real Estate Europe 2019, que se baseia nas opiniões de mais de 800 profissionais imobiliários na Europa, incluindo investidores, promotores, financiadores e consultores.

Como já referido, nos rankings anuais da cidade incluídos em Tendências Emergentes na Europa Imobiliária Lisboa saltou dez lugares para ocupar o primeiro lugar, com os inquiridos a elogiarem a qualidade de vida e a liderança política da cidade.

As cidades alemãs dominam os dez primeiros do ranking, com Berlim a ocupar o segundo lugar, seguida de Frankfurt, Hamburgo e Munique. No entanto, para alguns, a popularidade anual dessas cidades está a começar a prejudicar muitos inquiridos, considerando investimentos elevados nesses locais.

O resto do ranking é composto, em grande parte, por cidades como Madrid, Amesterdão, Viena e Dublin, que avaliam positivamente os fundamentos imobiliários e as perspectivas de crescimento dos arrendamentos, mas em muitos casos também na qualidade de vida, conectividade, potencial de inovação e atractividade. para o talento.

Apesar dos volumes de investimento e procura ocupada por escritórios em Londres se manterem, o Brexit continuou a assombrar as perspectivas de curto prazo de Londres, com 70% dos profissionais seniores da Europa a acreditarem que a capacidade do Reino Unido de atrair talentos internacionais cairá após o prazo de Março de 2019.

Cerca de 28% dos inquiridos acreditam que o montante de capital disponível para novo investimento irá aumentar, comparado aos 50% no ano passado. No entanto, a confiança do ano passado foi particularmente alta, e há poucas preocupações actuais sobre a liquidez, excepto para sectores do retalho, como demonstrado pela maioria (54%) que acredita que a disponibilidade de capital será praticamente a mesma.

Uma das principais barreiras ao investimento continua a ser a disponibilidade de activos adequados à medida que o capital continua a fluir para a Europa, com fortes aumentos esperados da Ásia. Isso está a exercer pressão sobre o núcleo do mercado, com 70% dos inquirido a concordarem que os activos principais estão acima do preço.

O estudo mostra ainda que a área residencial, com sete dos dez principais sectores preferidos para investimento e desenvolvimento, incluindo alguma forma de residencial, variando entre residências de estudantes, para habitação social e residências assistidas e habitação residencial regular.

Além dos sectores residenciais, de logística e de nicho, como centros de dados e escritórios flexíveis (coworking), que estão entre as dez primeiras intenções dos investidores. A logística continua claramente a beneficiar o crescimento do comércio electrónico. Os formatos tradicionais, como os escritórios centrais da cidade ou suburbanos e os formatos de retalho continuam no final do ranking.

O relatório também examinou a crescente influência do valor social ao lado dos retornos financeiros dos investimentos. Quase 60% dos inquiridos acreditam que o sector está a adoptar uma gama mais ampla de medidas não financeiras para avaliar o valor dos negócios imobiliários e imobiliários. 59% concorda que as métricas não financeiras são cada vez mais importantes na medição de retornos.

O resultado actual dessa tendência é um foco maior na combinação de usos como espaços de trabalho colaborativo, logística, de retalho e de usos mistos e aposta em projectos de habitação a preços acessíveis, centros comunitários, espaços públicos e creches.

PUB
ARRENDAMENTO
Covid-19: Presidente da República promulga regime excepcional para o pagamento de rendas
6 de abril de 2020
PUB
PUB
PUB