CONSTRUÍMOS
NOTÍCIA
domingo, 21 de Julho de 2019
Actualidade

Lisboa é das cidades mais acessíveis do Mundo para comprar casa

30 de Janeiro de 2019

A cidade de Lisboa volta a ficar entre as mais acessíveis do Mundo para compra de casa, segundo o recente relatório 'Monitor de Acessibilidade Global Knight Frank 2019'.

De acordo com o estudo, as cidades de Dubai, Istambul, Jacarta, Kuala Lumpur, Lisboa, Manila, Roma e São Paulo, são as mais acessíveis entre as 32 analisadas em todo o mundo, considerando o desempenho relativo em três áreas importantes:

Rácio preço / rendimento da habitação - Esta é a medida de acessibilidade mais comum. Para isso, é analisado a relação entre o preço médio da habitação e o rendimento médio do agregado familiar, após os impostos.

Arrendamento como uma proporção de renda - À medida que a população de inquilinos aumenta globalmente, é fundamental avaliar não apenas a acessibilidade de compra de uma casa, mas também como é acessível morar numa cidade em relação a alojamento arrendado.

Crescimento real do preço da habitação em comparação com o crescimento do rendimento real - "Incluímos esta medida, pois acreditamos que demonstra claramente se a acessibilidade melhorou ou piorou nos últimos anos. Ajustamos tanto o preço da habitação quanto o crescimento da renda pela inflação, ao longo do período, para avaliar o impacto real", refere o relatório.

Auckland, Hong Kong, São Francisco e Vancouver foram consideradas as cidades menos acessíveis. 

O estudo revela que existe uma crescente disparidade global entre os preços da habitação e o rendimento. Em todas as 32 cidades analisadas, houve um crescimento real médio de cinco anos nos preços da habitação de 24%, enquanto o rendimento médio real cresceu apenas 8% no mesmo período. 

Algumas cidades resistiram à tendência, e Nova Iorque viu o seu crescimento de renda superar o crescimento do preço real da casa em 3%. Moscovo, Singapura, Mumbai e Paris também viram a sua renda real média, nos últimos cinco anos, crescer mais rapidamente do que os preços reais das moradias, indicando uma melhoria na acessibilidade. Em Moscovo, onde havia a maior diferença, o crescimento real da renda superou em 22% o crescimento do preço real da habitação.

Amesterdão, Vancouver e Auckland, no entanto, viram que os preços reais das casas superam o crescimento real da renda em 59%, 46%, 32%, respectivamente. Essa evidente disparidade entre os dois indicadores é um claro factor que contribui para que essas cidades caiam no quadrante "menos acessível". O desempenho de Berlim foi semelhante, o que contribuiu para que a cidade fosse colocada no segundo quadrante menos acessível.

O forte desempenho económico de Dublin nos últimos seis anos levou a uma procura crescente por habitação, no entanto, a nova oferta de habitação não conseguiu acompanhar o ritmo.

O Monitor da Knight Frank indica ainda que as estatísticas de acessibilidade média em toda a cidade são úteis, mas não conseguem destacar as disparidades nos custos de habitação nos sub-mercados ou em todo o espectro de rendimentos.

"Portanto, mesmo as cidades no quadrante mais acessível ainda têm espaço para melhorias e podem não ser acessíveis para grupos de renda baixa", lê-se no relatório.

PUB
ARRENDAMENTO
Lisboa abre candidaturas ao subsídio de arrendamento
16 de Julho de 2019
PUB
PUB