Milão: procura de imóveis residenciais aumenta

14 de Novembro de 2017

Os preços na cidade italiana de Milão, atingem os 15.000 euros por metro quadrado em imóveis novos influenciados pela procura crescente de investidores estrangeiros.

Após a hesitação dos compradores, verificada nos últimos anos devido à recessão económica, o número de transacções no primeiro trimestre de 2017 aumentou 13,8% em relação ao mesmo período do ano passado. Um dos principais factores que contribuíram para este crescimento foi a EXPO Milão, realizada em 2015, que chamou a atenção dos muitos visitantes para o mercado imobiliário daquela cidade. "Tendo em conta a atractividade dos imóveis disponíveis para venda, este é o momento certo para investir no mercado residencial milanês", afirma Roberto Magaglio, Managing Partner da Engel & Völkers em Milão.

Centro Histórico e zona ocidental são os mais procurados

Na capital italiana da moda e do design, o interesse dos compradores foca-se especialmente nos grandes e luxuosos apartamentos disponíveis para venda. Os preços dependem de critérios como a localização e o edifício. Comodidades como varandas, terraços e lugares de garagem também são fatores importantes. Empreendimentos de construção recente, muito bem localizados, atingiram já este ano preços entre os 10.000 e os 11.000 euros por metro quadrado. Propriedades especialmente exclusivas, já alcançaram preços de venda até 15.000 euros por metro quadrado. Um dos locais privilegiados da cidade é o bairro dos artistas, Brera, no Centro Histórico, cujo charme provém dos palácios históricos, galerias e mercados.
Não muito longe dali, encontra-se o Quadrilatero della Moda, com as suas conceituadas boutiques de luxo, joalharias e lojas de decoração de interior. San Babila, perto da famosa Catedral de Milão, é também uma das localizações mais desejáveis da cidade. Essas áreas são especialmente populares entre os compradores internacionais. Os cidadãos italianos tendem a preferir as zonas residenciais no oeste de Milão. Nessa zona, o principal foco de interesse dos compradores são os endereços nas imediações do Corso Magenta, Via Vincenzo Monti e Via Mario Pagano, perto do Parque Semplon com o famoso Arco della Pace.

Compradores nacionais dominam o mercado

O mercado imobiliário de Milão é, sobretudo, de primeira habitação. Cerca de 90% dos compradores são cidadãos italianos. Os restantes 10% são compradores internacionais provenientes de países como França, Rússia e EUA. A maior parte dos clientes tanto são compradores de primeira habitação como proprietários que procuram um imóvel maior ou – em casos isolados – uma propriedade menor. Além dos proprietários-ocupantes, também os investidores italianos e internacionais estão ativos no mercado imobiliário de Milão. Na maioria dos casos, procuram imóveis como solução de investimento de capital com o objetivo de arrendamento.

Previsão: extensão do Metro de Milão deverá impulsionar mercado residencial

A Engel & Völkers prevê que se continue a verificar um crescimento contínuo no mercado imobiliário residencial em Milão. A procura deverá aumentar ainda mais em 2018 em algumas zonas. "Nos próximos meses e anos, prevemos um aumento nas áreas próximas da linha de Metro M4, actualmente em construção", refere Roberto Magaglio. Existem ainda outras zonas que se estão a desenvolver favoravelmente, em especial as que se encontram próximo do moderno centro de negócios Porta Nuova, no norte de Milão, e perto da Fondazione Prade, não muito longe da Universidade de Economia Luigi Bocconi, no sul.