CONSTRUÍMOS
NOTÍCIA
sábado, 16 de janeiro de 2021
Internacional
new-york-Torres em Mannhattan - Foto Jackie Wu Bill de Blasio Mayor de NY - Foto do Municipio de Nova Iorque - 72.jpg Foto Bizzi & Partners projecto 400FifthAv - Nova Iorque.jpg new-york-Torres em Mannhattan - Foto Jackie Wu

Mayor de Nova Iorque quer acabar com ‘arranha-céus´ de vidro

28 de abril de 2019

O Mayor da cidade de Nova Iorque, Bill de Blasio, vai apresentar um projecto de lei que proíbe a construção de arranha-céus de vidro. A intenção do executivo da cidade é reduzir as emissões de gases do efeito estufa em 30%. Blasio, ao anunciar a futura medida, descreveu os arranha-céus de fachada de vidro como "incrivelmente ineficientes" por causa da perda de calor, segundo a NBC New York.

A futura lei irá também exigir que os prédios de vidro existentes sejam adaptados para atender a novos padrões de emissões de carbono mais rigorosos.

O conselho da cidade aprovou no início do mês de Abril a Lei de Mobilização Climática, um conjunto de 10 projectos que respondem às metas estabelecidas no Acordo Climático de Paris – refere a publicação.

Segundo esta lei, 50.000 dos edifícios da cidade terão que reduzir as emissões de carbono a partir de 2024, diminuindo em 40% até 2030 e até 80% em 2050. A eficiência energética muito rigoroso far-se-à através da aplicação de novos isolamentos, instalação de janelas eficientes e outros processos amigos do ambiente. Os novos edifícios terão que ter obrigatoriamente telhados com cobertura vegetal e painéis solares, mini turbinas eólicas ou a combinação das duas opções.

Segundo a publicação norte-americana, a lei aplica-se a prédios com mais de 2.300 m2, responsáveis por metade de todas as emissões dos prédios, apesar de representarem apenas 2% do total de edifícios na cidade.

PUB
TURISMO
Receitas do turismo com quebras de 80% em Novembro
15 de janeiro de 2021
ARRENDAMENTO
Candidaturas ao apoio às rendas arrancam em 4 de Fevereiro
15 de janeiro de 2021
PUB
PUB
INTERNACIONAL
Espanha: aeroportos tiveram quebra média de 72,4% em número de passageiros
14 de janeiro de 2021
PUB