CONSTRUÍMOS
NOTÍCIA
sábado, 11 de julho de 2020
Escritórios
Edifífio Espace no Parque das Nações

Mercado de Escritórios está 11% abaixo de 2015

20 de dezembro de 2016

Do total de 6.221 m² de absorção de escritórios registados em Novembro, cerca de 65% correspondem a operações geradas em expansão de área (47%) ou entrada de novas empresas nesta região (17%). Os restantes 35% foram motivados pela mudança de instalações. Já no acumulado do ano, período em que foram absorvidos 117.153 m², a mudança de edifício foi a principal motivação, captando 56% da actividade total, seguida da expansão de área (37%) e da entrada de novas empresas na região de Lisboa (6%). As conclusões são do mais recente “Office Flashpoint”, emitido pela JLL.

O relatório mensal da consultora refere que a actividade no mês de Novembro reflectiu, apesar dos bons resultados em termos de absorção líquida, uma desaceleração quer mensal quer homóloga, com a área arrendada a cair 50% face a Outubro e 49% face ao mesmo mês de 2015. Do total de 11 transações registadas neste período, sete foram assessoradas pela equipa da JLL, que detém uma quota de mercado de 26% entre os agentes imobiliários activos neste mercado de arrendamento de escritórios.

 

Eixo da Praça do Saldanha a Entrecampos e Amoreiras, o mais activo

Em Novembro, a área média transaccionada fixou-se em 566 m², 41% inferior à média do mês passado. Neste mês, foi concluída apenas uma operação respeitante a uma área superior a 1.000 m², correspondente à expansão das instalações de uma multinacional no CBD, que passou a ocupar mais 2.205 m² no mesmo edifício onde já estava. Geograficamente, a Zona 2 (CBD - Eixo da Praça do Saldanha a Entrecampos e Amoreiras) foi a mais activa em Novembro, concentrando 59% da absorção total do mês, seguida da Zona 6 (Corredor Oeste) e da Zona 1 (Prime CBD), com quotas de 17% e 14%, respectivamente. Do lado da procura, o sector de Serviços a Empresas foi o mais representativo com 61% da área ocupada nem Novembro, num resultado impulsionado pela operação já referida.

 

Como vai o ano…

Nas contas do acumulado, a absorção nos primeiros onze meses de 2016 (117.153 m²) traduziu uma quebra de 11% face ao nível de actividade registado em igual período de 2015. Considerando as 173 operações realizadas desde o início de 2016, a área média por transacção situa-se actualmente nos 677 m², mantendo-se acima do valor apurado para o período homólogo de 2015. Na segmentação geográfica da actividade no acumulado do ano, a Zona 3 (Nova Zona de Escritórios - Eixo da 2ª Circular ao Campo Grande, incluindo Praça de Espanha / José Malhoa) é a que lidera, com 25% da absorção total, seguindo-se o CBD e o Corredor Oeste, com 20% e 19% de quota. Para o total do ano, o sector de Serviços a Empresas foi o mais activo, representando 36% da área ocupada, seguido do sector de TMT’s & Utilities com 25%.

PUB
TURISMO
São Rafael Villas, Apartments & GuestHouse lança Villa V
10 de julho de 2020
PUB
ARRENDAMENTO
Imobiliárias vão promover Programa Renda Segura
10 de julho de 2020
PUB
PUB
INTERNACIONAL
Investimento imobiliário multifamily europeu deve ultrapassar os 22 mil milhões de euros
7 de julho de 2020
PUB